Litoral

Família de catarinenses mortos no Chile pede ajuda para trazer corpos ao Brasil

Seis turistas brasileiros, entre eles cinco catarinenses, morreram após suposta intoxicação por vazamento de gás em um apartamento na capital chilena.

Divulgação

Familiares dos catarinenses encontrados mortos, na quarta-feira (22), em um apartamento em Santiago, no Chile, pediram ajuda para trazer os corpos para o Brasil. O grupo de seis brasileiros — um casal de Biguaçu, na Grande Florianópolis, os dois filhos, além de outro casal formado por um catarinense e uma mulher de Goiânia — foi vítima de um vazamento de gás.

As vítimas foram identificadas como sendo o casal Fabiano de Souza, 41 anos, e Débora Muniz Nascimento de Souza, 38 anos, e os filhos Caroline Nascimento de Souza, que completaria 15 anos nesta semana, e Felipe Nascimento de Souza, 13 anos. A família morava em Biguaçu.

“Nós precisamos de ajuda para trazer os corpos. A gente não tem informação nenhuma, se eles tinham seguro, se não tinham. Estamos desolados e de mãos atadas, há muitas informações desencontradas” declarou Elisana Fortunato Nascimento, que é prima de Jhonatas e Débora, dois dos cinco catarinenses mortos.

Além deles, também morreram Jonathas Nascimento Kruger, 30 anos, que é catarinense e irmão de Débora, e a esposa dele, Adriane Krueger, que é de Goiânia. O casal morava na cidade de Hortolândia, em São Paulo.

Segundo familiares, até o início da madrugada desta quinta-feira (23), ainda não havia informação sobre a liberação dos corpos. A polícia chilena estaria aguardando o resultado de perícia.

Sobre o caso

A família viajou a Santiago para comemorar os 15 anos de Caroline. Eles teriam alugado um apartamento na capital chilena por meio de um aplicativo de celular e, segundo a prima do casal, estavam prestes a voltar a Santa Catarina, pois a mãe dos irmãos Jhonatas e Débora faleceu em Florianópolis na madrugada de quarta.

Segundo Noemi Fortunato Nascimento, prima de Jhonatas e Débora, por meio de mensagens a mulher teria relatado que estava se sentindo mal, e que as outras pessoas no apartamento também apresentavam sintomas estranhos. A polícia local suspeita que eles tenham inalado gás, supostamente monóxido de carbono.

Com informações do site Gaúcho ZH

Notícias Relacionadas

Tribunal de Justiça catarinense confirma pena para empresário que vendeu pipoca com rato dentro em Criciúma

Uma das vítimas, após ingerir a pipoca, teve intoxicação alimentar aguda causada por alimento contaminado.

Mãe pede medida protetiva após filho agredir família em Braço do Norte

O filho agrediu a irmã de 9 anos e quebrou objetos em casa

CasaPronta Criciúma 2019: começa amanhã a maior feira catarinense do segmento

Edição de número 17 reunirá mais de 200 expositores e tem expectativa de receber 60 mil visitantes

Idoso fica gravemente ferido após ser agredido com capacete em Lauro Müller

Familiares também foram ameaçados por agressor. Com o acusado, a Polícia Militar encontrou drogas.