Geral

Febre amarela em SC matou 1.500% mais macacos em 2020; vacinação segue abaixo da meta

Cobertura vacinal é de 70%, enquanto meta é de 95%, com recomendação de todos moradores acima de nove meses serem imunizados; Blumenau é cidade com maior número de notificações

Divulgação

Ao longo de 2020, além da pandemia da Covid-19, outra doença vitimou Santa Catarina. Até então, foram 127 macacos mortos pela febre amarela, com último caso sendo de um bugio em Abelardo Luz, no Oeste.

O crescimento em relação ao ano passado é astronômico: foram 1.500% mais casos do que em 2019, ano em que somente oito macacos morreram por conta da febre.

Blumenau e Campo alegre foram as cidades que mais tiveram casos confirmados nos primatas, sendo que a primeira, no Médio Vale, foi também a que teve mais casos em humanos notificados.

Os animais acabam sendo sinalizadores pois vivem muito próximos dos mosquitos, sendo os primeiros a adoecerem.

“Quando um macaco doente ou morto for encontrado é importante que a população comunique a Secretaria Municipal de Saúde o quanto antes”, alerta João Fuck, gerente de zoonoses da DIVE/SC.

Nos humanos, também houve aumento, sendo que dois homens morreram em 2019, ao passo que 2020 teve 17 casos confirmados com morte de dois pacientes, em Camboriú e Indaial.

A cidade de Blumenau, no Médio Vale, foi o enfoque, com 30 notificações de casos, sendo sete confirmados. Camboriú, Pomerode, Joinville, e Balneário Camboriú também tiveram número expressivo de notificações no boletim epidemiológico.

“De dezembro até maio é o período que a circulação do vírus tende a aumentar. Isso porque a doença é transmitida pela picada de mosquitos silvestres infectados e o verão, com o aumento da temperatura, favorece a reprodução desses animais”, explica Renata Gatti, bióloga da DIVE/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina).

A vacinação segue como o método de prevenção mais eficaz, e segundo a gerente de imunização da diretoria, Lia Coimbra, todos os cidadão acima dos nove meses devem ser vacinados.

A cobertura, até então, está abaixo da meta, com 70,6%, enquanto o ideal seria 95%. O sinal vermelho deve ficar ligado, especialmente, para as pessoas que residem em algum município que já confirmou algum caso de macaco morto ou doente.

A doença é transmitida por mosquitos em áreas silvestres e próximas de matas, causa sintomas como febre, dor de cabeça, náuseas e vômitos nos casos mais leves, e pode gerar problemas renais e doenças cardíacas em quadros mais complicados.

Recomendação na comunicação

Para reportar os casos, o aplicativo recomendado é o SISS-Geo, que possibilita tirar uma foto do macaco e marcar a localização onde ele foi encontrado.

A ferramenta torna-se eficaz pois as informações chegam instantaneamente nos órgãos de saúde.

Notícias Relacionadas

Santur avança na gestão de dados com lançamento de Central de Inteligência do Turismo

Aulas no Colégio Satc iniciam dia 8 de fevereiro

Medidas foram adotadas para receber alunos de forma presencial, mas pais poderão optar por filhos continuarem com ensino remoto

Balneário Rincão inicia vacinação com 52 doses

O primeiro profissional a ser vacinado, foi Carlos Eduardo Silva.

Três Orleanenses são vacinadas contra a Covid-19 nesta terça-feira (19)

As três mulheres são funcionárias da área da saúde e atuam na linha de frente do combate ao coronavírus