Geral

Fiocruz investiga pacientes com doença da vaca louca

Fundação disse que os casos não têm relação com o consumo de carne

Divulgação

O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz) informou por meio de nota que os dois pacientes internados para investigação de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecida como a doença da vaca louca, “estão com suspeita da forma esporádica da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), considerando os aspectos clínicos e radiológicos”.

Na nota, assinada pelo vice-diretor de Serviços Clínicos do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, Estevão Portela Nunes, o INI informa que essa forma esporádica não tem relação com o consumo de carne. “Reiteramos que os pacientes estão internados no Centro Hospitalar para a Pandemia de Covid-19 do INI e que ambos os casos não tem confirmação diagnóstica”.

No início da tarde, em outra nota, assinada pelo vice-diretor, o INI informou que avaliava a situação clínica de dois pacientes com suspeita de Encefalopatia Espongiforme Bovina internados no Centro Hospitalar para a Pandemia de Covid-19 da unidade da Fiocruz.

“Detalhes que possam identificar os pacientes não serão divulgados em respeito à confidencialidade da relação médico-paciente, de acordo com o estabelecido pelo Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina”, informou o INI na nota.

Com informações da Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Jovem morre afogado após salvar criança e adolescente no rio em SC: “Herói”

Corpo de Eduardo Cordeiro foi encontrado na manhã deste domingo (5)

Criança de seis anos é resgatada após queda de dois metros, em Paulo Lopes

Aeronave transportou a vítima até o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis

Defesa Civil de SC emite alerta para temporais neste domingo com vento forte e granizo

Dia de altas temperaturas pode ter registro de chuva intensa em um curto intervalo de tempo por todo o Estado, de acordo com a Epagri/Ciram

Beach clubs de Jurerê têm que demolir estruturas feitas após 2005, determina STF

Para o advogado, o STF não determina a demolição das estruturas, e afirma que elas podem ser "readequadas" a partir de requerimento