Geral

Gasolina e gás mais baratos motivam comércio ilegal na fronteira com Argentina em SC

Além de proibido, esse vaivém é de alto risco. Vídeos e fotos de apreensões da Receita Federal mostram carros carregados com galões de gasolina e botijões de gás, lado a lado

Divulgação

O preço alto da gasolina e do gás de cozinha no Brasil têm feito aumentar o comércio e transporte ilegal desse tipo de mercadoria na fronteira com a Argentina, no Oeste do Estado.

Somente nas últimas semanas, a Receita Federal apreendeu mais de 2 mil litros de combustível trazidos de forma irregular do país vizinho na região de fronteira, em Santa Catarina e no Paraná.

Além de proibido, esse vaivém é de alto risco. Vídeos e fotos de apreensões da Receita Federal mostram carros carregados com galões de gasolina e botijões de gás, lado a lado.

— São verdadeiros carros-bomba — diz o delegado Mark Tollemache, da Receita Federal em Dionísio Cerqueira.

Chama atenção da fiscalização que não se trata de compra para consumo próprio, mas para revenda no Brasil. Grupos atravessam a fronteira, enchem dezenas de galões com combustível, e depois revendem no mercado paralelo. Já existe uma rede de distribuição, inclusive com ofertas de delivery de gasolina e gás de cozinha “da fronteira” nas redes sociais. Desta forma, os produtos ilegais têm se espalhado para além da região fronteiriça em Santa Catarina.

O que estimula o comércio ilegal é o preço. O botijão de gás argentino está custando entre R$ 25 e R$ 30 – menos de um terço do preço cobrado no Brasil. O litro da gasolina sai por R$ 3 a R$ 3,50, metade do que custa o litro em SC. Diante da demanda brasileira, no lado argentino já se instalaram postos improvisados em que não é preciso nem descer do carro para encher os galões.

Fiscalização

O comércio ilegal de combustível e gás de cozinha já era uma prática comum na região de fronteira com a Venezuela, no Norte do país, devido à diferença de preços em relação ao Brasil. Por lá, também são comuns os acidentes com atravessadores, já que se tratam de mercadorias inflamáveis e perigosas. Isso preocupa os órgãos de fiscalização em Santa Catarina.

Outro ponto de preocupação dos órgãos de controle é que o transporte dos galões “no varejo” evolua para esquemas mais sofisticados, com adulteração e entrada em grande quantidade para abastecer postos regulares de venda, ludibriando o fisco – ou seja, escapando dos impostos – e enganando os consumidores.

A Receita Federal deverá seguir em operação concentrada para flagrar o transporte irregular de combustível e gás de cozinha, em parceria com outros órgãos como Exército, Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal. A região de fronteira entre Brasil e Argentina, no entanto, tem pouco efetivo para fiscalização, o que acende o sinal de alerta.

Com informações de Dagmaura Spautz, colunista do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Vereadores de Lauro Müller aprovam Proposições, Requerimentos, Projetos de Lei e Projeto de Resolução

No Grande Expediente, oito vereadores aproveitaram para fazer seus pronunciamentos.

Satc Digital e Coopera firmam parceria para a aplicação do ensino corporativo

De forma gratuita, cinco cursos livres foram lançados nesta segunda-feira e estão disponíveis para a comunidade

Número de casos ativos de Covid-19 despenca em SC e índice é o menor em 17 meses

Dados mostram que o Estado vive um momento menos delicado da pandemia, e caminha para um processo de estabilização

Assistência Social de Criciúma entrega alimentos para instituições sociais no Parque das Nações

Ao todo, foram distribuídos 960 kg de carne, 1.500 kg de banana, 60 cestas básicas e 90 kits de legumes para 30 instituições