Geral

Indústria catarinense teve o maior crescimento do Brasil em 2021

Além do destaque nacional do crescimento, Santa Catarina foi o segundo Estado do Brasil que mais gerou empregos na indústria, perdendo apenas para São Paulo

Divulgação

A indústria catarinense teve o maior crescimento do Brasil em 2021, segundo dados do IBGE e da Federação das Indústria do Estado de SC (Fiesc). De janeiro a outubro, Santa Catarina teve aumento de 13,8% em relação ao mesmo período de 2020 e retomou os patamares de antes da pandemia.

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira (14), o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar divulgou o balanço industrial do ano, destacando que Santa Catarina conseguiu retomar o crescimento do pré-pandemia cinco meses antes do que a média nacional.

— A indústria puxou o desenvolvimento econômico de Santa Catarina em 2021, o que reforça como a economia do nosso Estado é altamente dependente das indústrias. Mesmo tendo uma queda em setembro e outubro, acreditamos que isso é sazonal e logo vamos retomar esse crescimento — destacou o presidente.

Veja ranking dos estados

Fonte: FIESC

Entre os setores industriais catarinenses que tiveram maior alta, estão a metalurgia (55,4%), com destaque para a construção civil. Em seguida, aparecem os setores de veículos automotores (45%) e máquinas e equipamentos (28,7%).

Com o avanço da vacinação e retomada da circulação de pessoas, outros setores que se destacaram pelo crescimento foram os de vestuário e acessórios (22,6%) e produtos têxteis (20,7%).

Segundo Estado que mais gerou empregos

Além do destaque nacional do crescimento, Santa Catarina foi o segundo Estado que mais gerou empregos na indústria, perdendo apenas para São Paulo. As indústrias catarinenses geraram 69.670 vagas em 2021.

O destaque foi do setor têxtil, confecção, couro e calçados, que criou 22.620 vagas. Veja a lista:

  • Têxtil, confecção, couro e calçados – 22.620
  • Construção – 16.778
  • Madeira e móveis – 8.645
  • Máquinas e equipamentos – 7.619
  • Metalmecânica e maturlia – 7.309
  • Alimentos e bebidas – 5.988

Perspectivas para 2022

Um dos grandes desafios enfrentados pela indústria durante a pandemia foi a escassez de insumos e matérias-primas. Sete em cada 10 empresas de SC informaram que têm enfrentado essa dificuldade.

No entanto, com a reorganização das cadeias de produção, a perspectiva é que a oferta desses materiais volte ao normal, diminuindo os preços dos produtos finais.

— Nós tivemos uma escassez de insumos, que explica esse índice de preços ao produtos muito elevado, que acabou sendo repassado na inflação. Mas esse primeiro período parece que passou. Estamos voltando a ter um reorganizamento da produção global. Esperamos que mesmo os recursos que ainda estão muito escassos, como os semicondutores e eletroeletrônicos, já estejam sanados até o segundo semestre do ano que vem — explicou Pablo Bittencourt, consultor de economia da Fiesc.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

PM salva criança de dois meses que se engasgou em Balneário Rincão

Segundo a PM, a guarnição estava indo para a Zona Sul quando foi surpreendida pelos pais

Drogas e quase R$2 mil em tráfico são apreendidos em Tubarão

Uma dupla foi presa por estar realizando o comércio ilegal de drogas

SC volta a ter 80% de ocupação nos leitos de UTI adultos após seis meses

Segundo dados do Painel do Coronavírus, ao menos 257 pessoas estão internadas com Covid-19 no Estado

Mais de 6 mil maços de cigarros são apreendidos na BR-101, em Paulo Lopes

A carga foi avaliada em R$ 20 mil