Poder Executivo

Instalação do estacionamento rotativo fica para 2019, em Orleans

A pedido do Tribunal de Contas do Estado (TCE), prefeitura vai refazer edital de licitação. Órgão estadual questionava certame.

Foto: Divulgação

O Governo Municipal de Orleans acatou a recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e suspendeu o edital de licitação do estacionamento rotativo na cidade. O processo seguia no seu rito normal para a contratação da empresa responsável por implantar e gerir o serviço, mas segundo o órgão, apresentou irregularidades.

Com isso, a implantação do serviço fica para o próximo ano. O processo de licitação será readequado. “É a saída mais rápida do que enfrentar todo o trâmite de um processo, sendo que o resultado seria incerto. Mesmo não tendo ainda um prazo definido, as alterações já iniciaram”, explica o consultor jurídico da prefeitura, o advogado Ederson Bett.

Quanto a possibilidade do serviço entrar em operação neste ano, segundo o advogado é improvável. “É bem provável que a nova licitação seja lançada este ano, mas o término dela não em função dos prazos legais”, finaliza.

O prefeito Jorge Koch emitiu, através de sua assessoria, uma nota para prestar esclarecimentos sobre o assunto:

O Município de Orleans, representado pelo Prefeito, Jorge Luiz Koch, diante da decisão proferida nos termos do Processo N° REP 18/01029820, pelo Tribunal de Constas do Estado de Santa Catarina, que determinou a Sustação Cautelar da licitação pública na modalidade concorrência nº 004/2018 (cessão onerosa da gestão do estacionamento rotativo), vem a público prestar os seguintes esclarecimentos:

– O Município de Orleans apenas foi informado da decisão de Sustação Cautelar no dia 07 de novembro de 2018, no período da tarde, portanto após a ocorrência da primeira etapa da licitação, onde são julgadas os documentos de habilitação das empresas participantes da concorrência;

– O Município de Orleans, ressalta que encaminhou previamente ao próprio Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina cópia do Edital de Concorrência Pública, no dia 03/10/2018, entretanto não recebeu daquele Egrégio Tribunal nenhum apontamento ou pedido de revisão, fato que ensejou o prosseguimento do processo.

– A decisão de Sustação Cautelar proferida pelo Tribunal de Contas, ocorreu após interposição de representação impetrada pela empresa RIZZO PARKING AND MOBILITY S/A, que apontou inconsistência quanto a aspectos formais do Edital. O Tribunal de Constas do Estado de Santa Catarina acatou cinco pedidos de revisão do edital dentre todos os efetuados pela empresa responsável pela representação, dos quais trataremos a seguir;

– De acordo com a representação formulada, o primeiro ponto questionado referiu-se ao fato de o edital não respeitar o prazo de publicação de 45 (quarenta e cinco) dias, previstos no art. 21, inciso I, alínea “b” da Lei 8.8666/93. No presente edital foi utilizado equivocadamente o previsto no art. 21, inciso II da Lei 8.8666/93, que definia prazo de 30 (trinta) dias. O referido edital, porém, foi publicado em todos os meios legais previstos, quais sejam, o Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, o Diário Oficial dos Municípios de Santa Catarina (DOM), jornal de circulação regional (Diário de Notícias de Criciúma), jornal de circulação estadual (Diário Catarinense), site oficial do Município de Orleans (www.pmo.sc.gov.br) e Mural Publico aposto no prédio da Administração da Prefeitura de Orleans, garantindo ampla publicidade ao mesmo.

– O segundo ponto questionado, referiu-se a falta de publicação de ato justificativo prévio à concorrência pública do estacionamento rotativo, conforme disposto no art. 5° da Lei Federal 8.987/95. Cabe ressaltar que as justificativas da referida concorrência pública estão presentes no próprio edital de concorrência pública em seu anexo I;

– O terceiro ponto questionado foi a ausência de cláusulas que prevejam a revisão ordinária do contrato de concessão. Na minuta do contrato da concorrência presente no edital, em seu anexo II, especificamente na cláusula quinta, item 5.3, há a previsão objetiva e clara da forma de reajustamento do contrato com periodicidade anual e com base no INPC. Ocorre que de fato, há previsão de reajustamento, porém não há previsão de revisão ordinária das tarifas. Reajuste e revisão são conceitos distintos e enquanto este prevê cláusulas referentes aos aspectos de equilibro econômicos financeiros dos contratos, aquele define apenas a reposição das perdas inflacionarias em determinado período. Desse modo, reconhece-se que não há previsão clara e objetiva em relação a revisão ordinária do contrato.

– O quarto ponto questionado refere-se a ausência de cláusulas definidoras dos bens reversíveis, que são bens entregues ao concessionário para que este possa desenvolver todos os atos da concessão pública e ao final do contrato são revertidos ao município. No presente contrato não haverá bens públicos entregues a concessionária, apenas e tão somente, esta fará a gestão das vagas de estacionamento mediante controle e cobrança de tarifas pelo estacionamento em área indicada pela Administração Municipal;

– O quinto e último ponto de questionamento refere-se a ausência de cláusulas relativas à exigência de publicação de demonstrações financeiras periódicas, da concessionária.

– O Município de Orleans ressalta seu compromisso com a ética, moralidade, transparência, ampla publicidade de seus atos e sobretudo com os princípios constitucionais que regem a administração pública, deste modo acata integralmente os termos Decisão de Sustação Cautelar proferida pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina;

– Ressalta-se outrossim, que todos os aspectos questionados foram de ordem estritamente formal, não ensejando nenhum questionamento do Tribunal de Contas em relação a lisura, a ampla competitividade e a ampla publicidade deste processo licitatório;

– Assim que houver publicado o ato administrativo de anulação do referido processo licitatório, o Setor de Licitações e Contratos, bem como o Departamento de Trânsito, devem rever e adequar o edital nos termos da Decisão de Sustação Cautelar proferida pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina;

– Assim que o referido edital estiver concluído o mesmo será publicado novamente nos meios legais e encaminhado previamente cópia ao Tribunal de Contas de Santa Catarina, como ocorrido no processo anterior. 

Notícias Relacionadas

Ex-secretário de Administração de Orleans e empresa tem bens bloqueados

Segundo o Ministério Público, Eduardo Bertoncini era responsável pela pasta na gestão do ex-prefeito Marco Antônio Bertoncini Cascaes

Apoio ao candidato Vitorassi para eleição da Coorsel se intensifica durante reuniões com associados

Na noite de hoje (16), às 19h30min, os associados da comunidade de São Gabriel são convidados a participarem do encontro com os candidatos, em Treze de Maio.

Sentença de pronúncia levará para júri casal acusado por homicídio cometido com espada em Orleans

Segundo os autos, os crimes aconteceram em março deste ano, no bairro Rio das Furnas

Índices de crimes caem bruscamente em Orleans

Segundo dados divulgados pela Polícia Civil, houve redução de 300% dos crimes de roubo e quase 30% do número de furtos.