Giro Estadual

Menino chama socorro ao ver a mãe apanhar do marido em SC

Mulher era agredida na frente dos filhos pequenos

Giroflex PM foto noturna

Divulgação

Um caso de violência doméstica chamou a atenção no último fim de semana em Balneário Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina. Um menino de 12 anos ligou para a Guarda Municipal (GM) e pediu socorro porque a mãe estava apanhando do companheiro. O caso ocorreu no último sábado (21) à noite, no bairro das Nações, e veio à tona no início desta semana.

O garoto chamou ajuda pelo telefone 153. Segundo o comandante da corporação, Douglas Ferraz, o filho estava nervoso e relatava do outro lado da linha as agressões. Quando a viatura chegou à casa, o adolescente estava esperando no meio da rua. A mulher confirmou os fatos e o marido acabou preso. Ambos têm 28 anos.

O menino estava em casa com mais dois irmãos, de 8 anos e seis meses, quando o padrasto começou a agredir a mãe deles. De acordo com Ferraz, o homem é o pai da criança mais nova da vítima e este é o primeiro episódio registrado de violência na família em Santa Catarina.

Eles são do Rio Grande do Sul, para onde a mulher pediu ajuda ao serviço social para retornar. A vítima também pediu ao Poder Judicário uma Medida Protetiva proibindo o homem de se aproximar dela.

O comandante da Guarda Municipal de Balneário Camboriú conta que o número de casos de violência doméstica aumentou em 30% durante a pandemia da Covid-19. Os agentes têm atuado na fiscalização das ordens de distanciamento emitidas pela Justiça contra agressores e também têm oferecido cursos de defesa pessoal às mulheres.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Mudas de banana são doadas para as escolas municipais de Criciúma

Iniciativa é uma parceria entre a Gerência de Agricultura e Agronegócio e a Secretaria Municipal de Educação

Últimos dias para adquirir a Rifa da Fazendinha

Até a manhã desta sexta-feira (17), a Escola Bairro Bortolotto já vendeu 39 mil bilhetes

Polícia Federal realiza operação contra pornografia infantil em Araranguá

Com o aprofundamento das investigações, foi identificado que o suspeito, de 21 anos, estaria utilizando a rede social para compartilhamento dos arquivos com outros usuários, inclusive de outras nacionalidades

Educação se manifesta após compra de máscaras com suspeita de irregularidade