Geral

No Brasil não existe racismo, diz Mourão sobre morte de Beto Freitas em mercado no RS

Declarações do vice-presidente ocorreram no dia da Consciência Negra, em meio a forte comoção após a morte de um homem negro espancado por seguranças de um supermercado em Porto Alegre

Divulgação

O vice-presidente Hamilton Mourão lamentou o espancamento de um homem negro até a morte por seguranças de um supermercado Carrefour em Porto Alegre. Mas disse não considerar que o episódio tenha sido provocado por racismo. O Brasil marca nesta sexta (20), um dia depois da tragédia, o Dia da Consciência Negra

Ao comentar o episódio, filmado e divulgado desde o fim da noite de quinta, Mourão afirmou que a equipe de segurança do estabelecimento estava “totalmente despreparada”, mas disse que não existe racismo no Brasil. 

As declarações do vice ocorreram no dia da Consciência Negra, em meio a forte comoção após a morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos que foi espancado por dois seguranças de uma loja do supermercado Carrefour localizada no bairro Passo d´Areia, na zona norte de Porto Alegre. 

— Lamentável isso aí. A princípio é a segurança totalmente despreparada para a atividade que tem que fazer — disse o vice, ao chegar em seu gabinete no Palácio do Planalto, em Brasília.

Questionado se considerava que o episódio mostrava um problema de racismo no Brasil, Mourão respondeu:

— Não, para mim no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar, isso não existe aqui. Eu digo pra você com toda tranquilidade, não tem racismo.

O vice foi novamente perguntado por jornalistas se não enxergava um componente racial no episódio. Ele reiterou que não considerava um caso de racismo. 

— Não, eu digo para vocês pelo seguinte: porque eu morei nos Estados Unidos. Racismo tem lá. Eu morei dois anos nos Estados Unidos. Na minha escola, o pessoal de cor andava separado, [algo] que eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil. Saí do Brasil, fui morar lá, era adolescente, e fiquei impressionado com isso aí. 

Mourão afirmou que morou nos EUA no final da década de 60, quando o debate sobre direitos civis e segregação estava no auge.

— Isso no final da década de 60. Mais ainda, o pessoal de cor sentava atrás do ônibus, isso é racismo. Aqui não existe. Aqui, o que vc pode pegar e dizer é o seguinte: existe desigualdade. Isso é uma coisa que existe no nosso país. Nós temos uma brutal desigualdade aqui, fruto de uma série de problemas, e grande parte das pessoas de nível mais pobre, que tem menos acesso aos bens e as necessidade da sociedade moderna, são gente de cor.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Coorsel recebe mais uma recertificação da ISO 9001:2015

Certificado comprova a qualidade da gestão e o compromisso com o aperfeiçoamento contínuo dos processos.

Calhamaço de obras: Prefeitura de Braço do Norte encerra terceira semana de ações

Para a próxima semana já estão programadas entregas de ordens de serviços para pavimentação nos bairros Uruguaia, Rio Bonito, Sertão do Rio Bonito e União (Capitel)

Saúde Mental, álcool e outras drogas são debatidos em Audiência Pública

Encontro virtual reuniu entidades para debater os desafios e avanços das políticas públicas relacionadas ao tema

Dupla é condenada por homicídio qualificado e ocultação de cadáver em Criciúma

Segundo a denúncia, a vítima teria sido casada com o irmão do réu, que suicidou-se e a crença no suposto envolvimento da mulher nesta morte seria a motivação do crime