Geral

Novo ciclone pode atingir Santa Catarina nesta semana

Ciclone deve atingir estado na próxima terça-feira (7); meteorologista diz que intensidade deve ser menor.

Divulgação

Um novo ciclone deve atingir Santa Catarina na próxima terça-feira (7). O fenômeno, no entanto, não deve ter a mesma intensidade do ciclone bomba que atingiu o estado nesta semana.

“O ciclone que nós tivemos no dia 30 e 1º [de junho] foi diferente, principalmente por conta da frente-fria e da instabilidade que passou por Santa Catarina”, diz a meteorologista da Epagri/Ciram Marilene de Lima.

No caso do ciclone bomba, explica Lima, além de sua formação, a passagem de uma frente fria, em direção ao Litoral, foi responsável por provocar temporais.

“O ciclone teve características diferentes porque também tivemos áreas de baixa pressão no Oeste de Santa Catarina. Tivemos linhas de instabilidade associadas à frente fria que passou pelo estado que, em geral, estão ligadas ao ciclone extratropical”, comentou Lima.

O próximo ciclone deve causar chuvas e rajadas de vento de até 70 km/h principalmente no Planalto Sul. A previsão é de formação de ondas mais altas, não sendo aconselhado a navegação.

A meteorologista explica que a passagem desse novo ciclone pode causar prejuízos, mas não deve ter o mesmo potencial destrutivo do último fenômeno.

Com informações do site ND Mais

Notícias Relacionadas

Santa Catarina registra dois novos casos de coronavírus e divulga plano de contingência para enfrentar a doença

Coronavírus em SC: Santa Catarina salta 16 posições e está entre os estados com menor incidência da doença no país

As estratégias de isolamento social e combate ao coronavírus levaram Santa Catarina a avançar para posição de destaque nacional no enfrentamento à pandemia.

Produtor do melhor mel do mundo, Santa Catarina prevê safra acima da média em 2020

Santa Catarina tem uma série de fatores que, naturalmente, favorecem o cultivo de um mel diversificado e até mais puro.

Valor Bruto da Produção Agropecuária de Santa Catarina cresce 8,8% e chega a R$ 33,6 bilhões

A alta foi impulsionada principalmente pelo desempenho da produção pecuária.