Segurança

O que se sabe sobre a morte da menina de 11 anos em SC e o que falta descobrir

Mãe e padrasto da criança foram presos temporariamente

Giroflex PM foto noturna

Divulgação

O caso da menina de 11 anos encontrada morta em Timbó, no Vale do Itajaí, chocou a região. A Polícia Civil divulgou neste sábado (16) que a mãe da criança, confessou, em depoimento, ter matado a filha. Confira abaixo o que já se sabe sobre o crime o que ainda falta descobrir.

Quem é a vítima?

O nome da menina, de 11 anos, não foi divulgado. A vítima morava em Timbó, no Vale do Itajaí. Ela foi achada morta em casa, na madrugada de quinta-feira (14).

Há suspeitos?

Os suspeitos são a mãe, que confessou o crime, e o padrasto da criança, segundo a Polícia Civil.

Alguém foi preso?

A polícia informou, neste sábado (16), que os dois suspeitos foram presos temporariamente.

Como o caso veio à tona?

A criança foi encontrada morta em casa, na madrugada de quinta. Na ocasião, o relatório da Polícia Militar apontou que o corpo tinha sinais de violência.

O socorro foi acionado por volta da meia-noite pela mãe e padrasto, e a criança foi encaminhada ao Hospital Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE). A menina chegou à unidade de saúde sem vida.

O que diziam os suspeitos?

Na quinta-feira, o casal apresentou a versão de que a menina caiu de uma escada após tentar resgatar um gato.

De acordo com os suspeitos, a menina estava consciente e seguiu realizando as atividades normalmente, até a hora de dormir. A dupla afirmou, no entanto, que, à meia-noite, ela começou a passar mal e chamaram os bombeiros.

O que a investigação constatou?

Conforme a Polícia Civil, o laudo da necropsia apontou que os ferimentos no corpo da criança eram incompatíveis com uma queda de escada. Ela tinha diversas lesões internas no crânio, baço, pulmão, intestino e uma laceração na vagina. O rosto da menina também tinha ferimentos.

A perícia feita na casa onde o crime ocorreu encontrou marcas de sangue nas proximidades do quarto da criança, sofá, em uma toalha, fronha e em uma calça masculina.

O que dizem os suspeitos agora?

Considerando as contradições, a Polícia Civil intimou os suspeitos a prestarem depoimento novamente, na presença dos advogados.

De acordo com a delegacia, a mulher confessou que matou a menina como forma de represália, já que não aceitava que a filha havia se tornado “sexualmente ativa”.

O padrasto ficou em silêncio durante o depoimento.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Embarcação vira com quatro pescadores no Balneário Rincão

Ocorrência foi atendida pelo Serviço Aeromédico (Saer)

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida

Homem de 57 anos é preso após tentar beijar menina de 11 anos à força, em Orleans

Fato ocorreu na Rua Aristiliano Ramos, na tarde deste sábado, dia 21.

Número de transplantes de rim caiu nos últimos dois anos

Sociedade Brasileira de Urologia lançou campanha para estimular doação