Educação

Pesquisa fortalece parceria entre UniSatc e Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Projeto que está sendo concluído contou com incentivo do CNPq e agregou conhecimento para um novo projeto aprovado junto a FAPESC

Divulgação

A pesquisa liderada pelo professor Fábio André Lora, do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), está na fase final. A parceria com a UniSatc, permitiu ampliar os estudos sobre a produção de placa de coletor de energia solar plano, utilizando o processo de estampagem incremental.

Os estudos do pesquisador são para aprimorar o uso do coletor solar plano, que é responsável pelo aquecimento de água. A ideia é fazer com que o equipamento possa gerar uma pequena quantidade de energia. “Os avanços que percebemos na fase metalúrgica foram positivos. Agora, falta observar alguns pontos na questão de energia”, afirmou Lora.

Com o suporte da UniSatc foi possível observar questões que envolvem a área metalúrgica, utilizando os laboratórios e o apoio de acadêmicos e professores. “Somente na UniSatc, dentro dessa pesquisa, conseguimos envolver dois estudantes de graduação, que produziram seus TCCs sobre o assunto, e ainda uma dissertação de mestrado”, informou o professor da UniSatc, Daniel Fritzen.

Os projetos contam com o apoio do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Notícias Relacionadas

Jovem morre afogado após salvar criança e adolescente no rio em SC: “Herói”

Corpo de Eduardo Cordeiro foi encontrado na manhã deste domingo (5)

Criança de seis anos é resgatada após queda de dois metros, em Paulo Lopes

Aeronave transportou a vítima até o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis

Defesa Civil de SC emite alerta para temporais neste domingo com vento forte e granizo

Dia de altas temperaturas pode ter registro de chuva intensa em um curto intervalo de tempo por todo o Estado, de acordo com a Epagri/Ciram

Beach clubs de Jurerê têm que demolir estruturas feitas após 2005, determina STF

Para o advogado, o STF não determina a demolição das estruturas, e afirma que elas podem ser "readequadas" a partir de requerimento