Saúde

Pesquisa investiga carga viral de variantes do coronavírus em amostras do esgoto de mais de 10 cidades de SC

Estudo da UFSC, que monitora também outras doenças, consegue identificar áreas com maior circulação viral. Resultados são compartilhados com Vigilâncias Epidemiológicas dos municípios.

Divulgação

Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) monitoram a carga viral de variantes do coronavírus e outros organismos causadores de doenças em amostras de esgoto de mais de dez cidades do estado. Com isso, conseguem descobrir quando há um aumento na concentração do vírus em uma determinada região. Os resultados são enviados às vigilâncias epidemiológicas dos municípios.

Recentemente, o Laboratório de Virologia Aplicada (LVA) da UFSC, que faz o estudo, entrou para a Rede Pan-Americana de Epidemiologia Ambiental, cujo objetivo é obter dados em tempo real para detectar riscos microbiológicos e químicos. Instituições de 14 países fazem parte. A rede foi lançada em 29 de novembro.

A coordenadora da pesquisa do LVA, doutora Gislaine Fongaro, afirmou que dados sobre quais variantes do coronavírus são mais comuns em cada região, se isso muda ao longo do tempo ainda estão sendo processados.

Fongaro disse que o laboratório realiza o estudo baseado em esgoto desde 1993. Porém, desde 2019 investigam novos vírus excretados em fezes humanas e de animais, incluindo o SARS-CoV-2, que causa a Covid-19.

Com a pesquisa, o laboratório consegue, por exemplo, monitorar quando ocorre uma diminuição de carga viral, o que “indica quando tem mais ou menos pessoas contaminadas com referido vírus”, segundo Fongaro.

O estudo também apresentou resultados relacionados à Covid-19. “No caso de SARS-CoV-2, vimos e comprovamos que circulava ao menos desde final de 2019 (foi o mais antigo que conseguimos rastrear). Mapeamos áreas com maior circulação viral em período de veraneio em Santa Catarina”, afirmou a coordenadora.

Esse estudo sobre a circulação do vírus em Florianópolis no final de 2019 foi publicado em uma revista científica internacional, a Science of The Total Environment, em 15 de julho de 2021.

Cidades e organismos

As amostras são coletadas nas cidades de Florianópolis; Joinville, no Norte do estado; Itajaí, no Litoral Norte; e Campos Novos, Capinzal, Chapecó, Concórdia, Curitibanos, Herval D’Oeste, Joaçaba, São Miguel do Oeste e Videira, no Oeste.

Além do coronavírus, também são analisadas nas amostras bactérias, adenovírus humano, enterovírus (como o causador da doença conhecida como mão-pé-boca), rotavírus, entre outros. A coleta é feita mensalmente.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Secretaria de Saúde de Criciúma realiza ação para relembrar um ano de vacinação e início da aplicação em crianças

Há um ano, a primeira dose da vacina contra Covid-19 era aplicada em Criciúma

Criciúma é a única cidade da Amrec a conquistar medalhas de ouro na Obmep

Ao todo, 100 alunos das escolas municipais são premiados com medalhas e menções honrosas, além de quatro professores que também foram destaques

TeleCovid: mais de 1200 atendimentos são realizados no primeiro dia

Serviço de atendimento remoto foi retomado nessa terça-feira

Fiz o Enem, que curso escolher agora? Orientadora profissional comenta afirma que curso precisa ter o DNA de cada um

A resposta pode estar nas questões básicas diárias para compreender as áreas de interesse