Geral

Pesquisas reforçam força do Design Social

Trabalhos de conclusão de curso foram desenvolvidos por acadêmicas e voltados a crianças com câncer e com paralisia cerebral

Divulgação

Projetos de duas acadêmicas do curso de Design da UniSatc extrapolaram os espaços do Centro Universitário. As pesquisas de Veronica Sharen Mercado Barrios e Sabrina Anacleto de Oliveira demonstram como o Design Social pode transformar realidades. Peças com formas geométricas e abstratas, que servem para encaixar e estimular a brincadeira criativa, são a proposta de Verônica. Elas têm como foco auxiliar as crianças em tratamento com leucemia. Já o trabalho de Sabrina foi desenvolver uma superfície sensorial que facilita o aprendizado dos alunos com paralisia cerebral.

As duas acadêmicas do curso de Design participaram das construções dos trabalhos ao longo de 2021. Nas disciplinas de Projeto Final de Curso (PFC) 1 e 2, nos dois semestres do ano, foi possível construir as ideias. “Queria criar um produto utilizando modelagem 3D, uma área do meu interesse e que eu gosto muito. Por sugestão da família veio a ideia de tentar algo na medicina. Na disciplina foi possível entender melhor”, comenta Verônica.

O processo para Sabrina também foi semelhante. Sabia que gostaria de trabalhar com algo que envolvesse as causas sociais, mas não tinha ideia do que. “Iniciei as pesquisas e percebi como o Design pode ajudar as pessoas com deficiência. Fui para o Design de Superfície e escolhi trabalhar com as crianças com paralisia cerebral porque tem pouca coisa sobre isso”, ressalta Sabrina.

Estimular o faz de conta

Com as pesquisas em desenvolvimento e a orientação da professora Vanessa Lima, Verônica foi em busca de algo que encantasse. “Tive a ideia de fazer peças em formas geométricas ou abstratas. Algumas delas com encaixes para estimular a brincadeira do faz de conta na criança”, afirma a acadêmica.

Ela criou 55 peças modeladas em 3D. Todas com cantos arredondados para proteção da criança. Conforme Verônica, o Design Social contribui para resolver problemas. “Queria contribuir de alguma forma com a humanização do tratamento quimioterápico infantil, fazendo e entregando o projeto sem qualquer fim lucrativo”, pondera a jovem designer.

A entrega final foi realizada por meio de um arquivo online, onde o projeto das peças em 3D pode ser baixado. “Esse material pode ser acessado por vários hospitais que tenham interesse em buscar o conteúdo”, explica Verônica.

As peças ainda foram feitas em 5 tipos de cores diferentes para chamar a atenção dela e levando em consideração os efeitos psicológicos e simbólicos.

Hora de retribuir com o Design

Em 2014, Sabrina descobriu o Bairro da Juventude após buscar um curso gratuito que gostaria de fazer. Ela tinha 16 anos e começou a fazer o curso de Programador de Computador. Virou jovem aprendiz, foi trabalhar na Biblioteca do Bairro e depois se tornou funcionária. “O Bairro me deu o início. Permitiu que eu fizesse o curso, que tivesse um emprego e minha primeira renda. Consegui comprar um computador e depois pagar o cursinho de Design que me fez entender que era o que eu gostaria de fazer”.

A escolha pelo tema do PFC fez ela resgatar o amor pelo Bairro e retribuiu tudo que ele proporcionou em sua vida. “Hoje uso meu trabalho para devolver isso. Quero que as outras crianças também tenham a oportunidade que eu tive”, comenta.

Sabrina criou a Luda, palavra originada de lúdico, design e acessível, uma superfície sensorial que facilita o aprendizado das crianças com paralisia cerebral. A orientação foi da professora Solange Bianchini.

O objetivo é permitir que as crianças assistidas no Atendimento Educacional Especializado (AEE) tenham mais condições para aprender. Durante o processo de criação, a acadêmica produziu três opções de peças, com diferentes tamanhos e formas e levou para que os alunos pudessem experimentar. “Foram observados critérios que envolviam a usabilidade, sensorialidade e a parte educativa, que contribuísse para a alfabetização das crianças”, revela.

A partir da peça escolhida, ela desenvolveu o projeto, os materiais com a superfície sensorial, atendendo aos requisitos do AEE.

Notícias Relacionadas

Secretaria de Saúde de Criciúma realiza ação para relembrar um ano de vacinação e início da aplicação em crianças

Há um ano, a primeira dose da vacina contra Covid-19 era aplicada em Criciúma

Criciúma é a única cidade da Amrec a conquistar medalhas de ouro na Obmep

Ao todo, 100 alunos das escolas municipais são premiados com medalhas e menções honrosas, além de quatro professores que também foram destaques

TeleCovid: mais de 1200 atendimentos são realizados no primeiro dia

Serviço de atendimento remoto foi retomado nessa terça-feira

Fiz o Enem, que curso escolher agora? Orientadora profissional comenta afirma que curso precisa ter o DNA de cada um

A resposta pode estar nas questões básicas diárias para compreender as áreas de interesse