Segurança

Polícia fecha o cerco contra agiotas de SC que sequestravam e aterrorizavam “maus pagadores”

Homens usavam diferentes tipos de armas para aterrorizar quem não cumpria os acordos firmados

Fotos: PC, Divulgação

Um grupo de agiotas violentos de Santa Catarina entrou na mira da Polícia Civil. Conforme a Divisão de Investigação Criminal de Itajaí, responsável pelo inquérito, os homens emprestavam dinheiro a juros altíssimos e os maus pagadores eram sequestrados e aterrorizados.

Ao menos três homens foram presos temporariamente durante a operação nesta quinta-feira (4). Duas prisões ocorreram em Itapema e um dos detidos foi enquadrado também por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Um terceiro suspeito foi preso em Garuva.

De acordo com o inquérito, os criminosos faziam as cobranças sequestrando pessoas, as agredindo e ameaçando. Para isso, o grupo usava diferentes tipos de armas.

Além das ordens de prisão, a polícia ainda cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos criminosos. Nos imóveis os agentes apreenderam soco inglês, facão, munição, carregadores, um revólver calibre .38, anotações de contabilidade e celulares.

Os presos foram encaminhados aos sistema penitenciário e as investigações seguem abertas. A operação policial teve o apoio do Núcleo de Operações com Cães de Itajaí, do Setor de Investigação de Itajaí, da DPCAMI de Itajaí e da DPCO de Navegantes.

Com informações do NSC Total

Notícias Relacionadas

Professores do Unibave passam por formação continuada com foco no planejamento e reflexão

O reitor do Unibave, Guilherme Valente de Souza, agradeceu os presentes

Estado destina mais de R$ 107 milhões em políticas públicas para agricultura no primeiro semestre do ano

O semestre também foi marcado pelo lançamento do Programa Leite Bom SC

Veículo carregado com garrafas de vinho argentino é apreendido em SC

Entre as garrafas apreendidas, havia um rótulo que chega a custar quase R$ 1 mil cada

Preço da gasolina volta a subir e se aproxima dos R$ 6

Apesar do aumento, este não é o maior preço registrado no ano. O pico aconteceu entre 12 e 18 de maio, quando o litro chegou a R$ 6,03