Saúde

Prefeitura de Orleans lança Limpa Fila e deve fazer mais de 3 mil procedimentos até dezembro

Programa foi lançado pelo secretário de Saúde de Orleans, Fernando de Fáveri nesta quarta-feira (30). Programa deve acelerar consultas, exames e pequenas cirurgias no município.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

No fim da tarde desta quarta-feira (30), foi lançado no Gabinete do Prefeito o Programa Limpa Fila. O secretário de Saúde, Fernando de Fáveri, apresentou o programa para servidores públicos da saúde, o prefeito Jorge Koch, o vice-prefeito Mário Coan e os vereadores, além de algumas pessoas da comunidade que estavam presentes. O objetivo do Programa Limpa Fila é diminuir o tempo de espera da população orleanense para realização de consultas especializadas, exames e cirurgias. O programa teve início no dia 24 de outubro e encerra no dia 31 de dezembro deste ano.

O Prefeito Jorge Koch apresentou o novo secretário de Saúde, Fernando de Fáveri, que assumiu o cargo no dia 10 de outubro, e também falou do esforço da Administração Municipal em poupar recursos para utilizar na saúde.

“Temos investido 23% do nosso orçamento na saúde. Mesmo assim percebemos cada vez mais que a demanda é muito maior que os investimentos feitos. Nem por isso a gente desiste, nem por isso vamos fracassar. A gente sempre conta com a colaboração dos vereadores. Eles têm sempre questionado e cobrado lá na Câmara e a gente sempre tenta responder. Agradeço toda a equipe da nossa administração. A Prefeitura repassou no início do mês de outubro R$ 65 mil e mais R$ 317 mil agora, quase R$ 380 mil para que nesses meses de novembro e dezembro a gente possa zerar a fila. Esse dinheiro é de economia, de gestão, de boa administração, dinheiro não desperdiçado e não roubado. Temos esses 380 mil em caixa, razão pela qual entregamos para a Secretaria da Saúde para que faça esse programa e até o final de dezembro possamos zerar todos os exames”, comenta Jorge Koch.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

O secretário iniciou sua apresentação ressaltando que o Programa Limpa Fila vai resolver cerca de 95 a 98% dos problemas de média complexidade. “Tudo que vamos fazer segue o Sisreg (Sistema Nacional de Regulação) que é uma lei estadual que regulariza e regulamenta a saúde aqui no município, porque não é fura fila, é limpa a fila, de acordo com a sequência que foi entrado no sistema”, destaca Fáveri.

Depois o secretário explicou os motivos que levam às filas de espera do SUS. Ele citou esses pontos: tabela do SUS defasada, falta de prestadores para determinadas áreas, procura maior que a demanda fornecida pelo Estado/União, alto custo de determinados procedimentos, absenteísmo na marcação de consultas e exames, cultura da solicitação de exames e remédios.

O Programa Limpa Fila fará uso do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Amrec (Cisamrec) aprovado pela Câmara de Vereadores de Orleans anteriormente. Através do Cisamrec será feita todas as compras dos serviços de saúde para o Programa Limpa Fila. O secretário Fernando de Fáveri destacou que até o fim de dezembro serão contempladas 2.357 pessoas com consultas, exames e cirurgias.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

Confira os números do Programa Limpa Fila:

O Secretário explicou que nas consultas com Cirurgião Vascular não será possível zerar a fila de imediato. “Vamos fornecer 50 consultas agora e mais 50 consultas depois para garantir o retorno. Dos 129 vamos tirar 50 pessoas de imediato da fila, porque depois as pessoas vão para uma fila de cirurgia. Então, não adianta liberar todo mundo e depois não dar conta dos exames que tem que ser feito e não ter médico suficiente para fazer. Vamos fazer uma coisa bem organizada e bem pensada. Não temos cirurgião para fazer 129 cirurgias, então é tudo muito bem planejado pela nossa equipe”, justifica Fáveri.

Nos exames Eco Dopller Vascular serão feitos 80 dos 129 que estão na fila. A explicação de Fernando novamente está relacionada ao atendimento cirúrgico posterior. O Eco Doppler Vascular geralmente é um pedido feito antes de cirurgias, então serão feitos 80 exames para liberar esses pacientes para suas cirurgias vasculares posteriormente.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

Na questão da Fisioterapia o município tem atendimento próprio, que faz o tratamento de 60 pacientes por mês. Cada paciente gera 10 sessões de fisioterapia, o que resulta em 600 sessões por mês. Com a compra de mais 70 fisioterapias, que incluem dez sessões cada, será possível zera a fila até dezembro.

O valor total do investimento no Programa é de R$ 363.432,51, sendo beneficiados 2.357 cidadãos com um total de 3.037 procedimentos.

Primeiras autorizações de cirurgias são entregues

Após a apresentação, o secretário, juntamente com o prefeito entregou duas autorizações de cirurgias para duas mães que aguardavam os procedimentos para seus filhos. A primeira cirurgia ocorre no dia 15 de novembro com a Ester. Já o Mateus recebeu a autorização para a cirurgia no dia 21 de novembro.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

Entrevista Exclusiva com o Secretário de Saúde de Orleans, Fernando de Fáveri:

Redação Sul In Foco: Como foi planejado pela Secretaria de Saúde fazer esse programa?

Fernando de Fáveri: “Fui procurado pelo Jorge em virtude de a Luana estar grávida. Ele queria que um técnico com experiência nessa área da saúde ficasse nesse período da gestação e amamentação dela. Algumas coisas o prefeito me pediu. Temos um problema na fila de laboratório, então foi a primeira questão que a gente organizou, porque hoje o cidadão já sai do posto de saúde, escolhe o laboratório e faz o exame. A outra coisa que ele pediu é que os vereadores estavam reclamando, tem pedido desde 2017, que existe filas represadas em vários segmentos. Fiz um diagnóstico junto com os profissionais da área e apresentamos para o prefeito. Nem tudo dá para resolver, temos que ser sérios com aquilo que falamos. Existe cirurgias de alta complexibilidade que a gente não tem poder sobre isso, porque depende de UTI e é o Governo do Estado que faz. Mas aquilo que está ao nosso alcance a gente conseguiu fazer um levantamento e com um diferencial: com início, meio e fim, nada pela metade. Contratamos 80 cirurgias de varizes e vamos bancar o Raio-X, o exame de laboratório, o Eco Dopller, a consulta de retorno, pagar a cirurgia e depois o outro retorno. É um programa muito bem elaborado com início, meio e fim.

Em exames vamos zerar a fila de ressonância, tomografia, endoscopia, cateterismo, que tem pessoas que aguardam dois anos na fila e é uma coisa muito séria e muito grave. Essa ação do prefeito Jorge, que vai tirar mais de três mil pessoas da fila de espera, é um presente de natal para os cidadãos orleanenses. Não que seja um presente, é obrigação do poder público, mas na grande maioria temos as cotas do Governo do Estado, só que essas cotas são insuficientes. O Governo Municipal fez uma economia e foi decidido investir nessas ações, que são coisas que não aparecem, mas para aquele cidadão que vai ter sua ressonância, seu exame, sua consulta com o especialista ou a sua cirurgia, vai o deixar grato com o Prefeito e a Secretaria de Saúde.

Quero agradecer a secretária Luana que conduziu de excelente maneira até o momento a Secretaria. Já estamos pensando em 2020 na continuidade desse programa, porque os dados que a gente levantou foi até o dia 20 desse mês de outubro. Novas pessoas já apareceram com pedidos de consultas, exames e cirurgias. Então é uma fila que ela não termina nunca, por isso a importância de a gente fazer esse modelo de mutirão a cada três meses, para que o cidadão não sofra aguardando por questões que podem ser solucionadas e melhorar a qualidade de vida dele”.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

Redação Sul In Foco: Qual era a maior dificuldade em colocar esse plano em ação?

Fernando de Fáveri: “Eu cheguei no município agora e sigo as ordens, mas não sei se não tinha dinheiro na época. São recursos que a administração vai guardando. A saúde sempre foi muito bem conduzida e chegou o momento. O prefeito conseguiu. Eu apresentei que fazendo isso custa tanto e ele disse que pode fazer porque temos condições financeiras de fazer. É uma questão de equipe, de todos da saúde, da economia que é feito, do controle e não desperdício do dinheiro público e isso faz com que essas ações aconteçam e o beneficiado é o cidadão. A ideia é a gente manter esse pacote e fazer com que as filas sejam sempre contínuas. Nem tudo vai ser resolvido, mas a maioria sim.

Redação Sul In Foco: Os recursos são próprios do município?

Fernando de Fáveri: “Esses são realmente recursos próprios da administração municipal que o Dr. Jorge reservou para fazer o mutirão. Ele sentiu a necessidade e a cobrança da população, dos vereadores e do conselho municipal de saúde e pediu para fazermos esse levantamento. Agora estamos pondo em prática”.

Redação Sul In Foco: Saúde é um assunto delicado e precisa ter profissionais qualificados. Como vocês pensaram na contratação desses profissionais?

Fernando de Fáveri: “Existe a livre demanda, por exemplo, o cidadão vai em uma unidade de saúde e recebe uma autorização de laboratório. É você que escolhe um dos três prestadores. Fica livre-arbítrio do cidadão. Isso é uma grande prática, a não ser quando não tem outro prestador, aí se fecha com uma única empresa. Cateterismo vamos fazer 20, mas só o Hospital São José faz, e aí não tem outra escolha. É esse os critérios que a gente usa de uma forma muito democrática, através do consórcio que existe entre os doze municípios da Amrec que facilita essa compra, dentro da legalidade. Sempre dentro da legislação e da fila, obedecendo a fila de chegada pelo Sisreg, que é acompanhada pelo cidadão, dando total transparência para os cidadãos”.

Redação Sul In Foco: Como a Secretaria de Saúde pensa na prevenção de doenças no município?

Fernando de Fáveri: “A educação e a saúde tem que andar lado a lado. Temos hoje dentro das nossas unidades grupos de caminhadas, de tabagismo, são feitas palestras, principalmente agora no Outubro Rosa e Novembro Azul. A prevenção tem que ser constante no dia-a-dia, porque senão o cidadão ele acaba esquecendo. É muito difícil o homem fazer um check-up, mas quando o carro dele faz 10 mil quilômetros ele leva na oficina, mas esquece de fazer a verificação dele mesmo. Temos que colocar para a sociedade a importância de se alto examinar. Hoje, depois de muitos anos, a gente consegue fazer com que as mulheres procurem mais as unidades de saúde, por isso elas vivem mais, porque se cuidam mais. A longevidade vem através dos programas de saúde, das vacinações principalmente e o cuidado que cada um tem que ter com a alimentação, exercícios físicos e assim por diante”.

Redação Sul In Foco: Há alguns meses foram questionados os valores que a Secretaria usou para publicidade. Qual é o material que vocês divulgam?

Fernando de Fáveri: “Tivemos na semana passada a Campanha Nacional de Vacina contra o Sarampo. Somos obrigados a anunciar que as unidades estão abertas para essa vacina específica e para esse público específico. Temos o Outubro Rosa, então temos que anunciar que tal unidade está aberta em determinado dia no horário estendido. Vem agora o Novembro Azul, nós vamos ter uma palestra contra diabetes e assim por diante. Todas as publicidades da Secretaria de Saúde são voltadas na questão educativa, preventiva e informativa. Materiais educativos para a prevenção e outros anunciando as ações que serão feitas pela municipalidade”.

Letícia de Oliveira/Sul In Foco

Notícias Relacionadas

Tribunal de Justiça confirma que município de Laguna deve fechar acessos de carros à Praia do Cardozo

Na sentença, foi determinado ainda que a prefeitura promova a instalação de placas de advertência no local e fiscalize a área, sob pena de multa diária no valor de R$ 500. A decisão busca preservar o meio ambiente e proteger os banhistas.

Iniciam trabalhos de recuperação da rua que dá acesso a Pindotiba, em Orleans

I Feira do Livro é oficialmente aberta em Orleans

Processo de licitação do novo Centro de Saúde deve ser lançado nos próximos dias em Tubarão

O diretor-presidente da Fundação Municipal de Saúde ressalta que com a iniciativa, a prefeitura pretende aproximar os serviços da saúde da população.