Saúde

Propaganda enganosa leva médico de SC a indenizar pacientes insatisfeitas com cirurgias

Acordo firmado na Justiça prevê pagamento de R$ 35 mil para cada uma das seis pacientes que fizeram cirurgias plásticas com o médico

Foto: Divulgação

Um médico de Itapema que se passava por cirurgião plástico vai indenizar pacientes insatisfeitas. A decisão está em um acordo firmado entre as partes na Justiça após ele ser investigado por propaganda enganosa. Conforme o Ministério Público, responsável pela apuração do caso, o profissional se apresentava como especialista, embora não seja, e assim atraía interessadas em procedimentos estéticos. O problema é que, por vezes, os resultados não eram os esperados pelas clientes.

As denúncias começaram a surgir em 2021, quando sete pacientes procuraram a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Itapema. Seis delas aceitaram o acordo e cada uma vai receber R$ 35 mil de indenização por danos material e estéticos. O médico, que admitiu a conduta, ainda terá de pagar R$ 90 mil, por dano moral coletivo, ao Fundo para Reconstituição de Bens Lesados. Se o acordo for integralmente cumprido, a ação será extinta também nas esferas cível e penal.

O MP sustenta que as clientes assinavam contrato com o médico para procedimentos como lipoaspiração intervenções nos glúteos e próteses mamárias. As cirurgias ocorriam em um hospital de Curitiba e, de volta em Itapema, elas procuravam a clínica porque os resultados teriam sido diferentes da publicidade e do serviço contratado. Mas cobrado, o médico alegava que o resultado poderia ter sido diferente do proposto por causa do biotipo de cada paciente e se eximia de prestar assistência a elas.

Conforme a ação, o investigado tem graduação em Medicina, mas não tem registro de qualificação de especialidade, o que evidencia a ausência de especialização em cirurgia plástica. Para os Conselhos Regionais de Medicina de Santa Catarina e do Paraná, todo médico, desde a colação de grau e inscrição no CRM, está autorizado a executar qualquer ato médico, independentemente da especialidade ou área de atuação. Porém, o médico teria feito publicidade como se fosse cirurgião plástico para conquistar as futuras clientes e, com isso, facilitar a venda dos serviços.

“Se não tem especialização, não pode agir como se tivesse, com o objetivo de conquistar confiança dos pretensos pacientes. Ocorre que o réu agia e se portava como se possuísse especialização em cirurgia plástica, apresentando-se às pacientes como cirurgião plástico e/ou omitindo dolosamente o fato de não o ser”, argumenta a Promotoria de Justiça.

Com informações do NSC Total

Notícias Relacionadas

Professores do Unibave passam por formação continuada com foco no planejamento e reflexão

O reitor do Unibave, Guilherme Valente de Souza, agradeceu os presentes

Estado destina mais de R$ 107 milhões em políticas públicas para agricultura no primeiro semestre do ano

O semestre também foi marcado pelo lançamento do Programa Leite Bom SC

Veículo carregado com garrafas de vinho argentino é apreendido em SC

Entre as garrafas apreendidas, havia um rótulo que chega a custar quase R$ 1 mil cada

Preço da gasolina volta a subir e se aproxima dos R$ 6

Apesar do aumento, este não é o maior preço registrado no ano. O pico aconteceu entre 12 e 18 de maio, quando o litro chegou a R$ 6,03