Educação

Salário de professor pode chegar a R$ 11 mil em SC; entenda

Projeto que prevê a descompactação da tabela salarial da categoria será enviado à Alesc na terça-feira (19), sinaliza o governador Carlos Moisés

Divulgação

O dia dos professores de 2021 em Santa Catarina começou com boas notícias para a classe. O governador Carlos Moisés confirmou a descompactação da tabela salarial dos profissionais da rede estadual de ensino. O plano, que era esperado pela categoria após a aprovação do piso de R$ 5 mil, em agosto, prevê que professores com doutorado, em fim de carreira, recebam até R$ 11 mil. Até o momento o teto salarial dos professores da rede estadual era de R$ 5,2 mil.

— Nós estamos fazendo um trabalho de valorização do professor e de valorização da carreira do magistério, em parceria com a Assembleia Legislativa. Para além do piso mínimo remuneratório, nós estaremos encaminhando para a Alesc um projeto de lei da descompactação da tabela salarial dos professores — anunciou Moisés.

O projeto deve ser enviado à Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) na próxima terça-feira (19). A expectativa é que a medida seja aprovada em plenário até o final de 2021 para que o reajuste seja concedido a partir de janeiro de 2022, já que a lei federal 173 proíbe aumentos de salário no serviço público em todas as esferas até o final deste ano.

Há duas semanas a Alesc formou uma comissão específica para analisar os reajustes salariais do funcionalismo público. O grupo reúne as Comissões de Constituição e Justiça, Finanças e Serviço Público. A ideia é que a tramitação conjunta nas três comissões acelere a aprovação da medida. O projeto de descompactação da tabela ainda deve passar pela Comissão de Educação antes de ser votado em plenário.

Em setembro, a Alesc já havia formado uma comissão mista para discutir sobre o novo plano de cargos e salários do magistério público estadual. A proposta foi encaminhada ao Executivo. Além da descopactação da tabela, os deputados sugeriram a criação de um programa de saúde voltado aos profissionais, o aumento do vale-alimentação e a inclusão de novos cargos na carreira.

Novo piso dos professores

Em agosto, a Alesc aprovou o novo piso salarial dos professores da rede estadual. Profissionais que trabalham 40 horas e têm nível médio passaram a receber R$ 3,5 mil; aqueles que tem licenciatura curta recebem R$ 4 mil e professores com licenciatura plena ou graduação em Pedagogia, incluindo pós-graduados, passaram a ganhar R$ 5 mil. O salário é proporcional às horas trabalhadas, ou seja, professores que tem contrato de 20 horas ganham o valor proporcional.

A mudança salarial ocorreu apenas para aqueles professores que ainda não recebiam estes valores (63% dos professores). A aprovação do novo piso fez com o número de profissionais buscando vagas de ACT na rede estadual dobrasse em relação a 2018. A medida também acendeu a luta dos professores com especialização e mais anos de serviço público pela descompactação da tabela salarial.

O atual plano de carreira que está em vigor na rede estadual foi implantado pela lei complementar 668, de 2015. Desde então, houve alguns reajustes no valor. O plano, além de considerar o tempo de serviço, com promoções de carreira a cada três anos, leva em conta o grau de estudo do profissional, enquadrando os professores em seis níveis: Ensino Médio, Licenciatura Curta, Licenciatura Plena ou Graduação, Especialização, Mestrado e Doutorado.

Formação permanente

Para contribuir para a formação dos professores, o governo do Estado também anunciou 1,1 mil bolsas de cursos de especialização, mestrado e doutorado. As vagas contemplam especialização em Tecnologia Digitais aplicadas à Educação, Especialização em Educação Ambiental, além de mestrado e doutorado.

A secretaria também cricou uma política de formação continuada permanente. O projeto prevê que os docentes recebam um auxílio financeiro de R$ 20 por hora para participarem de formações. Para ajunar na formação de mais professores em Santa Catarina também foram anunciadas 900 bolsas para cursos de licenciatura.

Com informações e colaboração de Ânderson Silva, colunista do NSC Total

Notícias Relacionadas

Dez escolas municipais de Criciúma já tiveram seus documentos antigos digitalizados

Objetivo da Secretaria de Educação é criar acervo com decretos, cadastros de estudantes e professores, fotos históricas e demais documentos das unidades de ensino

Colégio Satc inicia transição de alunos para novas séries

Desafios e mudanças para os alunos que passam para o Ensino Fundamental são monitorados pelo corpo pedagógico

“Estamos perto de ver o topo da inflação”, diz presidente do BC

Campos Neto afirma que pode haver melhora no ano que vem

Queda de elevador deixa um homem ferido dentro de padaria em SC

Estado de saúde da vítima é estável; acidente aconteceu no bairro América