Norte

Casal que estava junto há 55 anos morre e é sepultado no mesmo dia

Eles se conheceram em um passeio de bicicleta na adolescência para não mais saírem de perto um do outro.

Foto: Acervo pessoal / Acervo pessoal

Eles se conheceram em um passeio de bicicleta na adolescência para não mais saírem de perto um do outro. O mecânico Arno Guido Stoepcke, 73 anos, e a dona de casa Carmen Stoepcke, 75, viveram juntos nos últimos 55 anos, sempre morando no bairro da Velha, em Blumenau. O tempo não tirou o entusiasmo dos amores jovens. A matéria é do jornalista Jean Laurindo, publicada pelo Jornal de Santa Catarina.

Carmem ainda cuidava do marido com a atenção de namorada, com direito até a ciúme das enfermeiras nos últimos tempos em que a doença quis se intrometer na relação. No último fim de semana, os dois morreram em um intervalo de 17 horas e foram sepultados juntos, lado a lado, no Cemitério da Rua João Pessoa, no mesmo bairro em que compartilharam a vida nas últimas cinco décadas.

Foto: Acervo pessoal / Acervo pessoal

Há cerca de quatro anos, Arno descobriu um enfisema pulmonar que lhe fez debilitar a saúde. Há um mês, a enfermidade se agravou e ele descobriu que estava com câncer de pulmão. Os dias difíceis vieram, mas os dois continuaram sem sair do lado do outro. Depois de tantos anos de apego e companhia, Carmen passou a dizer para o único filho Adilson e para a nora Helena que não aceitava que ele partisse antes dela, que um não poderia morrer antes do outro.

O estado de saúde de Arno foi se agravando, mas na tarde de quinta-feira foi Carmen quem teve um infarto e precisou ser internada no Hospital Santa Isabel. A partir daí o marido foi perdendo o restante da força que reunia para lutar contra a doença.

Na tarde de sábado, Arno chamou a nora e pediu que ela arrumasse a roupa para ele partir. Quando Helena separou o terno e a camisa verde que ele usou na festa de Bodas de Ouro, cinco anos atrás, o sogro então pediu que ela separasse também a roupa da Carmen. “Eu perguntei: mas por quê, seu Arno? Ela está no hospital e não vai precisar de roupa lá, ela está bem. Aí ele respondeu: é que ela também vai”, disse.

Foto: Acervo pessoal / Acervo pessoal

E assim aconteceu. Dez minutos depois de a nora atender ao pedido e separar a camisa floral com detalhes verdes como a camisa do sogro, Arno segurou a mão do filho antes de suspirar pela última vez e morrer. Era por volta das 16h de sábado. No domingo, às 9h, somente 17 horas depois, foi a vez de Carmen não resistir e morrer no hospital em que estava internada. Os dois foram sepultados juntos às 17h de domingo. Além do filho e da nora, deixaram dois netos.

“Os dois foram juntos, como ela queria. Um amor além da vida, um do lado do outro. Muito lindo, e também muito dolorido para quem fica”, lamenta a nora.

 

Notícias Relacionadas

Mulher morre atropelada em Criciúma e motorista deve se apresentar à Polícia Civil

Vítima foi atingida e condutor não prestou socorro no domingo. Carro foi apreendido nesta segunda e advogado deve acompanhar suposto autor na delegacia.

Marido morre em acidente de carro três dias após suspeita de matar mulher a tiros em SC

Colisão contra caminhão ocorreu nesta segunda na BR-116. Mulher foi encontrada morta na sexta, atingida por três disparos na cabeça.

Cão-bombeiro de SC morre em serviço durante busca por pessoa desaparecida em rio em Içara

Cachorro Barney pulou na água em Içara e não voltou mais à superfície. Em fevereiro, animal ajudou na procura por vítimas em Brumadinho (MG).

Homem mata esposa e depois se suicida em Braço do Norte

No quarto do casal, local onde ocorreu o crime, foi encontrada uma faca de serra branca e um facão. O homem morreu no hospital.