Geral

“Com Nota Fiscal Vai Legal” realiza blitz em Urussanga

No total, 95 veículos foram abordados, sendo que 12 transportavam mercadoria sem nota fiscal, alcançando média de 22,65% dos veículos abordados irregulares.

Foto: Antônio Rozeng

O programa “Com Nota Fiscal Vai Legal”, que fiscaliza o transporte de mercadoria sem nota fiscal, realizou operação na manhã desta terça-feira (19) no município de Urussanga, na Rodovia SC-108. No total, 95 veículos foram abordados, sendo que 12 transportavam mercadoria sem nota fiscal, alcançando média de 22,65% dos veículos abordados irregulares. O índice está acima da média dos últimos anos.

Para o coordenador do programa, Ailson Piva, os números de irregularidades são altos. “O transporte de mercadoria sem nota, prejudica os municípios, já que impacta no retorno de ICMS. Menos recursos para prefeituras investirem no município”, alerta.

Os índices médios registrados nestes quase quatro anos de fiscalização são os seguintes: 2015 de 17,34%; em 2016 de 22,31% e em 2017 22,58%. Em 2018, a média até o momento é de 23,56%.

A blitz contou com a presença de fiscais municipais, da fiscalização Fazenda Estadual, técnicos dos AMREC e contou com o apoio da Policia Militar Rodoviária (PMRv) de Cocal do Sul.

Colaboração: Antonio Rozeng – Assessoria de Imprensa

Notícias Relacionadas

Procon autua posto de combustíveis por preço abusivo em Criciúma

Operação irá fiscalizar 40 estabelecimentos do município, três já foram autuados.

Apoio ao candidato Vitorassi para eleição da Coorsel se intensifica durante reuniões com associados

Na noite de hoje (16), às 19h30min, os associados da comunidade de São Gabriel são convidados a participarem do encontro com os candidatos, em Treze de Maio.

Confira 7 sugestões de presentes tecnológicos e acessórios de celulares para o Natal

VEJA VÍDEO - Os produtos são bastante procurados pelos clientes e estão disponíveis na LC Celulares de Cocal do Sul e Urussanga.

Pedreiro de cemitério condenado por enriquecimento ilícito e venda casada de serviços em Urussanga

Os fatos aconteceram entre 2010 e 2012, quando o homem era responsável pela gestão do Cemitério Municipal de Urussanga