Geral

Contrabando de camarões: homem é condenado após tentar entrar no Brasil com 12 toneladas

Crime de contrabando de camarões ocorreu em 2015; homem foi preso em flagrante na época

Foto: Freepik/Divulgação/ND

Um homem foi condenado a dois anos de prisão após contrabandear 12 toneladas de camarões oriundos da Argentina. A condenação foi realizada pela 2ª Vara Federal de Santana do Livramento, situada no Rio Grande do Sul.

A mercadoria, avaliada em R$ 356,4 mil, resultou na eliminação de R$ 35 mil em impostos. Além disso, os camarões estavam impróprios para consumo.+

Quer receber as principais notícias da região? Clique aqui e entre no nosso grupo de WhatsApp e fique atualizado de forma rápida e confiável

O juiz João Pedro Gomes Machado, responsável pelo caso, afirmou que, por se tratar de réu primário, a pena foi reduzida em três anos.

Contrabando de camarões: conheça o caso

O acusado foi preso em abril de 2015, em flagrante, enquanto carregava uma carreta com 12 toneladas de camarões congelados em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul.

Em sua defesa, o réu pediu a diminuição da pena, alegando que confessou sua participação no delito, acompanhou o carregamento e pagou as pessoas envolvidas. Argumentou ter tido uma atuação menos significativa no esquema.

O juiz verificou que o MPF (Ministério Público Federal) usou informações do celular apreendido do réu, que revelou que os camarões haviam sido pescados em Chubut, na Argentina.

Contrabando de camarões: produto não era próprio para consumo

O laudo técnico do Setor de Vigilância Sanitária de Uruguaiana apontou que o produto contrabandeado era impróprio para o consumo, pois somente estabelecimentos licenciados podem comercializar alimentos de origem estrangeira.

Além disso, os produtos estavam fora da temperatura adequada de armazenamento e o caminhão não possuía licença sanitária.

Homem confessa que trabalhava com contrabando de camarões

Machado verificou que a materialidade e a autoria do crime foram comprovadas pelas provas anexadas ao caso, pela prisão em flagrante e pela confissão do réu.

Em seu interrogatório, o acusado revelou que sabia que a prática era criminosa e que os camarões vinham da Argentina, mas participou pelo retorno financeiro devido à sua difícil situação econômica.

Se mantenha informado em tempo real! Clique aqui e siga o Sul in Foco no Instagram. Informações e notícias sobre a região na palma da sua mão!

Contrabando é crime

O magistrado destacou que o Código Penal prevê pena de dois a cinco anos de reclusão para o delito de contrabando.

Considerando que o réu é primário e a atenuante de confissão espontânea, ele condenou o homem a dois anos de reclusão.

A pena foi substituída por prestação de serviços comunitários e pagamento de 20 salários mínimos, conforme o Código Penal.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Pedreiro de cemitério condenado por enriquecimento ilícito e venda casada de serviços em Urussanga

Os fatos aconteceram entre 2010 e 2012, quando o homem era responsável pela gestão do Cemitério Municipal de Urussanga

Motorista que passeava por Garopaba com CNH falsa é condenado a 3,6 anos de reclusão

O documento tinha a foto dele, mas o nome era de outra pessoa. Na delegacia, os policiais descobriram a verdadeira identidade do réu e constataram que havia contra ele um mandado de prisão em aberto, por roubo tentado.

Autor de roubo e extorsão contra duas mulheres é condenado a 10 anos de reclusão em Criciúma

O crime ocorreu em agosto de 2019, quando as vítimas foram rendidas pelo autor.

Homem é condenado por extorquir e divulgar “nudes” de mulher com quem teve namoro

O réu foi condenado a 14 anos, dez meses e 22 dias de reclusão, em regime fechado, além do pagamento de 40 dias-multa.