Saúde

Dive confirma 2º caso de macaco morto por febre amarela em SC

Animal foi achado no distrito de Pirabeiraba, em Joinville. Moradores da região foram vacinados. Macacos na região de Cocal do Sul e Urussanga também foram encontrados mortos.

Divulgação

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive-SC) divulgou nesta segunda-feira (17) o segundo caso de morte de macaco por febre amarela no estado. O animal foi encontrado sem vida em Joinville, no Norte do Estado.

Em 28 de março, um homem de 36 anos, que não havia se vacinado contra a febre amarela, morreu no distrito de Pirabeiraba, também no município, primeiro e único caso de morte em humanos no estado neste ano. Já o primeiro caso de macaco morto pela doença foi divulgado em 4 de abril, de um animal encontrado em Garuva, também no Norte catarinense. A análise foi feita em 20 de março.

Segundo a Dive-SC, o macaco achado morto em Joinville estava no bairro Canela, também no distrito de Pirabeiraba. Moradores notificaram a Secretaria Municipal de Saúde sobre o caso. A pasta encaminhou em 4 de maio as amostras para o Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen), confirmadas posteriormente no Fiocruz, no Paraná.

Ainda segundo a Dive-SC, em Joinville, foi feita a vacinação de 454 pessoas que moram a um raio de 500 metros do local onde o animal foi encontrado morto.

“Na localidade de Pirabeiraba já é segundo animal com o vírus da febre amarela, indicando que o vírus ainda está ativo na região e pode ainda estar avançando em sentido sul do estado. As pessoas ainda têm que se manter alerta para notificar a vigilância epidemiológica de qualquer adoecimento ou morte de primata”, disse a biológa da Dive-SC, Renata Gatti.

Outros macacos mortos

Macacos foram encontrados mortos também aqui no Sul do estado neste mês, sábado (15) em Morro da Fumaça e em 7 de junho em Urussanga. Pelo avançado estado de decomposição, não foi possível identificar a causa da morte, de acordo com a Dive-SC.

Mesmo assim, houve reforço de vacinação na região. Os macacos não transmitem a febre amarela, mas sinalizam a circulação do vírus por uma região. Por isso, todo animal morto deve ser notificado às secretarias de saúde.

Vacinação

A febre amarela é transmitida por mosquitos em áreas de matas e urbanas. A vacina é eficaz contra a doença e está disponível na rede pública, a partir de 9 meses, para toda a população do estado.

Segundo a Dive-SC, a cobertura vacinal atual está em 74%. O ideal é vacinar 95% da população.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Massa de ar frio avança e mínima pode ficar abaixo de 5°C durante a noite desta quarta-feira em SC

O dia começa com tempo instável, mas a chuva fica mais reservada durante a manhã e início da tarde.

Tribunal de Justiça catarinense confirma pena para empresário que vendeu pipoca com rato dentro em Criciúma

Uma das vítimas, após ingerir a pipoca, teve intoxicação alimentar aguda causada por alimento contaminado.

Jovens e mulheres terão prioridade na liberação de recursos dos Programas da Secretaria da Agricultura de SC

De acordo com o Censo Agropecuário de 2017, em Santa Catarina são quase 170 mil agricultoras e mais de 6,9 mil propriedades rurais administradas por jovens.

Prazo para revisão do eleitorado com cadastramento biométrico em 11 cidades de SC termina na sexta-feira

Quem não fizer a revisão eleitoral terá o título cancelado e não vai pode votar nas próximas eleições.