Geral

Epidemia de dengue provoca oito mortes e atinge 16 municípios em SC

O número de óbitos até o momento neste ano já superou os de 2021 e é o maior na história da doença no Estado, em especial no Oeste. Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Nordeste também preocupam.

Divulgação

Santa Catarina registrou a oitava morte por dengue neste ano, o maior número de óbitos registrados pela doença na história do Estado, superando em pouco mais de três meses todo o ano de 2021, quando foram sete mortes.

Segundo a Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) da Secretaria de Estado da Saúde, esse número de vítimas pode dobrar, já que existe ainda outras oito mortes sob suspeita e em investigação.

Seis dos óbitos por dengue foram em municípios da região Oeste: dois em Chapecó, dois em Seara, um em Romelândia e outro em Itá. Além de uma morte em Criciúma, no Sul do Estado e outra em Ascurra, no Vale do Itajaí. Outras três regiões preocupam, os órgãos de saúde: Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Nordeste.

A Dive informou que 16 municípios estão em situação de epidemia de dengue, todos no Oeste. A caracterização de epidemia ocorre pela relação entre o número de casos confirmados e o de habitantes. O nível de transmissão epidêmico é quando a taxa de incidência é maior de 300 casos por 100 mil habitantes.

O secretário de Estado da Saúde interino, Alexandre Lencina Fagundes, informou que a secretaria está em alerta. Nesta quarta-feira (06), ele e uma equipe visitaram Chapecó, preocupados com a gravidade da situação na região. “A Saúde está em alerta, fazendo essa interlocução e dando suporte aos municípios”, disse.

Fagundes destacou que o Estado fará uma série de enfrentamentos à doença. Prevê o retorno das salas de situação nos municípios, ações de vigilância e manejo das pessoas, ou seja, quebrar o ciclo biológico do mosquito transmissor da dengue (Aedes aegypti) e o manejo adequado clínico nos casos de contaminações dos pacientes.

“O objetivo é barrar a transmissibilidade do vírus. Vamos realizar forças-tarefas para quebrar o ciclo biológico do mosquito. Temos previsão de chuva e sol para os próximos 40 dias e isso se torna um ambiente propício para proliferação do mosquito”, afirmou o secretário.

Casos notificados em 2022

Segundo o último boletim epidemiológico da Dive, publicado no dia 26 de março, nos três primeiros meses do ano foram notificados 14.937 casos de dengue em Santa Catarina. Desses, 5.478 foram confirmados. Do total de casos confirmados, 4.156 foram autóctones (transmissão dentro do Estado), 60 foram importados (transmissão de fora do Estado), outros 1.202 casos estavam em investigação de LPI (Local Provável de Infecção) e 60 são indeterminados, pois não foi possível definir o LPI.

Até o último boletim divulgado, 16 municípios catarinenses atingiram o nível de epidemia: Maravilha – que apresenta o maior número de casos autóctones, com 16,3% do total de casos de 2022 – Seara, Iporã do Oeste, Belmonte, Concórdia, Romelândia, Abelardo Luz, Itá, Xanxerê, Guaraciaba, São José do Cedro, Coronel Freitas, Mondaí, Caibi, Flor do Sertão e Santa Helena.

Em todo o ano passado, foram notificados 34.969 casos em Santa Catarina. Desses, 19.133 (55%) foram confirmados. Do total de confirmados 18.752 foram por transmissão dentro do Estado.

Dos casos confirmados, dez foram de dengue grave e sete resultaram em mortes: cinco em Joinville, um em Camboriú e outro em Florianópolis.Em 2021, apenas quatro municípios tiveram em situação de epidemia: Joinville, Navegantes, Camboriú e Santa Helena.

Já em 2020, o Estado considerou 11 municípios em epidemia. Joinville apresentou o maior número de casos autóctones (8.689), representando 79,4% do total, e a taxa de incidência foi de 1.471,5 casos por 100 mil/hab. Além de Joinville, os municípios em nível epidêmico foram: Águas de Chapecó, Bombinhas, Caibi, Coronel Freitas, Formosa do Sul, Maravilha, Navegantes, São Carlos, São Miguel do Oeste e Tijucas.

Florianópolis

A situação na Capital preocupa as autoridades de saúde do Estado. Até esta quarta-feira (06), foram 245 casos confirmados. A maioria no bairro Itacorubi (131), seguido da Agronômica (28) e Córrego Grande (14). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, até segunda-feira haviam sido encontrados 2.756 focos, a maioria no Córrego Grande (228), seguido por Canasvieiras (197), Cachoeira do Bom Jesus (190) e Itacorubi (65).

Sinais e sintomas

Normalmente, a primeira manifestação da dengue é febre alta (39° a 40° C) de início abrupto, com duração de dois a sete dias, associada à dor de cabeça, fraqueza, dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos. Manchas pelo corpo estão presentes em 50% dos casos, podendo atingir face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem estar presentes.

Na forma grave, ocorrem sangramentos de mucosas (nariz, gengivas), dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, letargia, sonolência ou irritabilidade, hipotensão e tontura são considerados sinais de alarme. Alguns pacientes podem, ainda, apresentar manifestações neurológicas, como convulsões e irritabilidade.

Mortes por dengue em SC

Chapecó: 2
Seara: 2
Romelândia: 1
Itá: 1
Criciúma: 1
Ascurra: 1
Casos em Florianópolis (até esta quarta-feira)

Total: 245

Itacorubi: 131

Agronômica: 28

Córrego Grande: 14

Focos da dengue (atualizado na segunda-feira)

Total: 2.756

Córrego Grande: 228

Canasvieiras: 197

Cachoeira do Bom Jesus: 190

Itacorubi: 65

Com informações do site ND Mais

Notícias Relacionadas

Santa Catarina registra dois novos casos de coronavírus e divulga plano de contingência para enfrentar a doença

Coronavírus em SC: Santa Catarina salta 16 posições e está entre os estados com menor incidência da doença no país

As estratégias de isolamento social e combate ao coronavírus levaram Santa Catarina a avançar para posição de destaque nacional no enfrentamento à pandemia.

Produtor do melhor mel do mundo, Santa Catarina prevê safra acima da média em 2020

Santa Catarina tem uma série de fatores que, naturalmente, favorecem o cultivo de um mel diversificado e até mais puro.

Entidades destacam que medidas no momento certo foram fundamentais para frear a pandemia em Santa Catarina

Entidades da iniciativa privada estão apoiando as medidas de distanciamento social implementadas pelo Governo de Santa Catarina e têm participado de constantes reuniões para tomadas de decisões do poder executivo.