Saúde

“Falei que seria a doadora”: mãe salva o filho com transplante de rim em SC

A família de Lages, na Serra catarinense, passou por cirurgia no Vale do Itajaí

Divulgação

Dar a vida duas vezes para a mesma pessoa não é algo comum, mas essa é a história da Eliane Aparecida dos Santos, moradora de Lages, na Serra de SC. Exatos 29 anos após o parto do filho, ela doou um rim para ver acabar o sofrimento dele com as hemodiálises. O transplante ocorreu em Blumenau na última semana.

Não poderia ter sido numa data mais especial. A cirurgia aconteceu em 2 de março, quatro dias antes de Eder dos Santos Oliveira completar três décadas de vida e exato um ano e um mês da primeira hemodiálise dele.

— Gratidão, muita alegria e deve cumprido por permitir esse transplante — comemora Eliane.

O diagnóstico de insuficiência renal crônica atingiu em cheio a família em fevereiro do ano passado. A mãe, de 52 anos, conta que o tratamento começou no dia seguinte à confirmação da doença. O sofrimento do filho com o tratamento, as restrições alimentares, a dificuldade para urinar e os medos atormentavam Eliane.

— Quando o médico falou que ele ia precisar de um transplante, no mesmo momento eu falei: “Vou ser a doadora” — relembra.

A confirmação de compatibilidade para o transplante intervivos, como é chamado o procedimento, veio em outubro. A partir daí começou a bateria de exames e a expectativa pelo dia da cirurgia. O momento era tão esperado que teve até contagem regressiva feita com adesivos no veículo de Eder até chegar à última hemodiálise.

A mãe teve alta na sexta-feira (4). O filho — único e xodó de Eliane — deve sair do Hospital Santa Isabel nesta segunda (7). Os dois vão permanecer em Blumenau por um período por causa das consultas de acompanhamento pós-transplante. A ideia é tentar evitar o desgaste de uma viagem de quatro horas entre o Vale do Itajaí e Lages.

Quando voltarem para casa, será uma nova fase:

— Não é a cura, mas é uma qualidade de vida muito melhor. Ele vai poder tomar líquidos agora, não vai ter aquela restrição de não poder comer várias coisas — explica a mãe.

Sobre a cirurgia

O Hospital Santa Isabel é referência em transplantes em Santa Catarina, com mais de 3,8 mil procedimentos.

Em um transplante renal entre pacientes vivos, o órgão, desde que esteja saudável, é doado a um paciente portador de insuficiência renal crônica avançada. Através de uma cirurgia, o órgão é implantado no paciente e passa a exercer as funções de filtração e eliminação de líquidos e toxinas.

Diferente dos demais transplantes, os rins do paciente não são retirados. Ele é posicionado ao lado dos já existentes — a menos que estejam causando infecção ou hipertensão.

O doador precisa levar em consideração que ele passa a ter um órgão fazendo o trabalho de dois, por isso terá cuidados especiais para o resto da vida. O paciente transplantado com frequência deve fazer exames, que ao longo da vida passam a ser anuais.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Embarcação vira com quatro pescadores no Balneário Rincão

Ocorrência foi atendida pelo Serviço Aeromédico (Saer)

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida

Homem de 57 anos é preso após tentar beijar menina de 11 anos à força, em Orleans

Fato ocorreu na Rua Aristiliano Ramos, na tarde deste sábado, dia 21.

Número de transplantes de rim caiu nos últimos dois anos

Sociedade Brasileira de Urologia lançou campanha para estimular doação