Geral

Ministério da Saúde aprova volta de 30% do público nos estádios

Retorno dos torcedores, porém, dependerá do aval dos gestores municipais, que levarão em conta as condições da pandemia na localidade.

Divulgação

O Ministério da Saúde aprovou, nesta terça-feira (22), o retorno do público aos estádios de futebol, em resposta a um plano elaborado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Porém, o governo federal impôs um limite de 30% das capacidades das arenas. A liberação valerá para as séries A e B.

Com o tempo, a venda dos ingressos poderá ser ampliada.

O retorno dos torcedores aos estádios, porém, vai depender da vontade do gestor local, que levará em consideração a variação da curva epidemiológica, a taxa de ocupação de leitos clínicos e leitos de UTI e a capacidade de resposta da rede de atenção à saúde local e regional.

De acordo com o Ministério da Saúde, “a abertura deverá ocorrer mediante protocolos que devem ser estabelecidos com o objetivo principal de zelar pela saúde física e mental, assim como o bem-estar de todos”.

O governo federal enfatizou ainda que as medidas de segurança serão acertadas entre os times de futebol e a administração local, com a participação dos órgãos de segurança pública, saúde e outros necessários para sua implementação e fiscalização.

Com informações do site HC Notícias

Notícias Relacionadas

Coronavírus em SC: Santa Catarina conquista a habilitação de 125 novos leitos de UTI junto ao Ministério da Saúde

As habilitações atendem a 13 unidades hospitalares

Coronavírus em SC: Secretaria apura envio de EPIs do Ministério da Saúde fora de normas sanitárias vigentes

Foi constatado que as luvas descartáveis não vieram identificadas, apresentavam armazenamento e acomodação em desacordo com as normas sanitárias vigentes, além de quantitativo menor.

Pesquisa do Ministério da Saúde sobre Covid-19 começa a ser aplicada em Criciúma

Secretaria de Saúde do município auxilia nos trabalhos de campo

Saúde amplia público para vacinas contra febre amarela e gripe

As novas medidas passam a valer a partir de 2020