Esporte

Tigre empata em casa e decepciona torcedores

Criciúma ficou no 0 a 0 com o Juventude na estreia do técnico Mazola Júnior. Equipe afunda na zona de rebaixamento e soma apenas um ponto na competição.

Foto: Lucas Colombo

Não foi uma partida habitual no estádio Heriberto Hülse. As arquibancadas estavam mais quietas que o normal, isso devido ao protestos silencioso realizado pelas torcidas organizadas do Criciúma. Sem o som da banda e as musicas, a falta de ânimo tomou conta também do campo. Um 0 a 0 sem graça deu a tônica do confronto contra o Juventude, na noite desta terça-feira, no Majestoso. Foi um jogo com poucas chances de ambos os lados. Ao final, vaias e protestos nas arquibancadas e do lado de fora do Majestoso.

O Criciúma começou a partida tentando pressionar o Juventude, que saía apenas nos contra-ataques. Aos poucos, o time da Serra Gaúcha se estabilizou na partida e manteve mais a posse de bola. O Tigre priorizava a marcação e tentava surpreender o adversário. Mesmo jogando em casa, o Tricolor Carvoeiro tinha mais proteção defensiva e jogava mais atrás.

Em jogo fraco tecnicamente, as equipes pouco criavam. Aos 14 minutos, Marlon tocou a bola e Zé Carlos não dominou. A torcida carvoeira chiou e o centroavante pediu apoio das arquibancadas, como se estivesse sentindo falta de algum componente do jogo. O silêncio dos torcedores, sem as bandas das Organizadas, aumentava a percepção das conversas em campo e também os sons típicos da jogo como os estouros nas disputas de bola.

Com Alex Maranhão muito adiantado e Jean Mangabeira à frente, o Criciúma não tinha criatividade no meio campo, enquanto o time gaúcho tentava apenas os contra-ataques. A primeira chance de gol surgiu aos 20 minutos: Choco recebeu pela direita, cortou para o meio e chutou para grande defesa de Luiz, que se antecipou bem e pegou. Dois minutos depois, Zé Carlos tabelou com Alex Maranhão que, aberto pela esquerda, bateu para defesa de Matheus Cavichioli. A partida tinha pouca produção ofensiva e se apresentava truncada. Aos 23 minutos, Zé Carlos foi derrubado na intermediária pela esquerda. João Paulo bateu e a bola subiu. A pequena pressão do Tigre seguiu aos 26 minutos: Alex Maranhão bateu falta, ao lado da área, pela direita, e Matheus colocou para escanteio.

A partida seguia lenta e sem criação de grandes jogadas. O Tigre chegou novamente na bola parada. Aos 32 minutos, Alex Maranhão cobrou falta e a bola subiu. O Criciúma só ameaçava em jogadas de bola parada. O adversário também pouco ameaçava. O primeiro tempo finalizou com sucessivos erros de ambas as partes e, mais uma vez, Zé Carlos pedindo apoio e dialogando com a calada torcida.

Foto: Divulgação / Comunicação Criciúma Esporte Clube

História se repete na etapa final

Na etapa final, o Tigre voltou com mais empenho, mas não conseguia criar chances de gol. Aos sete minutos, Sueliton cruzou e Alex Maranhão pegou de primeira e finalizou para fora. Com Andrew no lugar de Maranhão, o Tricolor Carvoeiro tentou ser mais ofensivo e “incendiar” a partida. Aos 14 minutos, o jovem sofreu falta pela direita. Na cobrança, a zaga do time gaúcho afastou. No minuto seguinte, a zaga do Tigre falhou e, como no primeiro tempo, Luiz salvou o time nos pés de Choco.

Aos 21 minutos, em uma mistura de vaias e aplausos, saiu Zé Carlos e entrou Nicolas. O time do Criciúma ficou mais leve no ataque e passou a pressionar mais o Juventude, mas sem muito perigo e com poucas chances criadas. Aos 29 minutos, a maior chance do segundo tempo para o time gaúcho: Fred cobrou falta da direita e Diones desviou, mas a bola saiu, muito perto da trave.

Aos 35 minutos, após uma disputa de bola, o lateral esquerdo Marlon deu um pisão nas costas de Fellipe Mateus e levou cartão vermelho direto. O Criciúma ficou com um jogador a menos. Aos 38 minutos, Luiz Fernando bateu escanteio, a zaga afastou, Liel jogou para a área novamente e João Paulo finalizou pela linha de fundo. Aos 42 minutos, Neuton foi expulso e igualou novamente o número de jogadores em campo. No minuto seguinte, Fred foi expulso e deixou os gaúchos com nove jogadores. Nos acréscimos, Eduardo pegou um rebote e chutou forte, mas a bola saiu, caprichosamente, ao lado da trave. No final, o primeiro ponto somado, porém, decepção em mais um jogo sem vitória do Criciúma. Ao fim do jogo, gritos de “time sem vergonha” nas arquibancadas e sem palavras dos jogadores.

Campeonato Brasileiro – Série B – 6ª Rodada

15/05 (terça-feira) – 21h30min – estádio Heriberto Hülse, em Criciúma

CRICIÚMA

Luiz; Sueliton, Nino, Fábio Ferreira e Marlon; Jean Mangabeira (Luiz Fernando), Liel, Eduardo e Alex Maranhão (Andrew); João Paulo e Zé Carlos (Nícolas). Técnico: Mazola Júnior

JUVENTUDE

Matheus Cavichioli; César Martins, Rafael Bonfim, Fred e Neuton; Bruno e Jair; Tony (Fellipe Mateus), Choco (Maicon) e Diones; Yuri Mamute (Guilherme Queiroz). Técnico: Julinho Camargo

Arbitragem: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza; Auxiliares: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo (Trio de SP)

GOL: Não Houve

Cartões Amarelos: Jean Mangabeira, Luiz Fernando e Sueliton (C); Choco, Neuton, Tony, Bruno, César Martins, Neuton e Jair (J)

Cartões Vermelhos: Marlon (C); Neuton e Fred (J)

Público: 2.188

Renda: R$ 42.890,00

Com informações do Portal DN Sul

Notícias Relacionadas

Aluna Satc é campeã brasileira de Xadrez Blitz

Associação Atlética de Orleans precisa de apoio para fazer ainda mais história no futebol orleanense

Chape encara Náutico nos Aflitos para encostar na liderança da Série B

No outro jogo da noite, Confiança e Guarani querem se afastar do Z4

Próspera lança plano de sócio para a temporada

Neste primeiro momento, três tipos de modalidades estão disponíveis para a torcida.