Geral

União promete R$ 400 por venezuelano em Santa Catarina

O Ministério de Desenvolvimento Social destacou ainda que 80% dos venezuelanos têm boa escolaridade, com ensino médio ou superior concluído.

Foto: Schneyder Mendoza – AFP

A secretária de Assistência Social, Trabalho e Habitação, Romanna Remor, buscou informações nesta quinta-feira (19) no Ministério do Desenvolvimento Social, em Brasília, sobre o fluxo migratório de venezuelanos no Brasil. Existe um pedido de ajuda humanitária do Governo Federal através de uma coordenação entre estados e municípios para a interiorização dos venezuelanos. A secretária de Articulação Nacional, Lourdes Coradi Martini, também esteve presente.

Foto: Douglas Saviato

“Levaremos este pedido de ajuda ao governador, aos prefeitos e as instituições não governamentais que tenham interesse em participar deste esforço humanitário. O ministro nos relatou que há um auxílio financeiro mensal de R$ 400 por imigrante e que a média de permanência destas pessoas nas instituições é de até sete meses”, frisa a secretária.

De acordo com o ministro de Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, acredita-se que tenham chegado ao Brasil em torno de 40 mil venezuelanos nos últimos meses. Destes, muitos não dependem de ações governamentais, pois são profissionais liberais e se deslocam por conta própria pelo país.

“O nosso problema são os indígenas, uma parcela vulnerável que não quer sair das proximidades das suas terras, são nômades e desconhecem a fronteira do país. Existe ainda outra população, estimada entre 15 e 20 mil imigrantes, que necessitam de interiorização, porém, alguns preferem permanecer em Roraima por causa da proximidade com a Venezuela, enquanto outros expressam a vontade de migrar e reiniciar a vida em outras cidades”, explica o ministro.

Mil migrações em maio

A meta é interiorizar 500 venezuelanos até o fim deste mês, sendo que já foram realizados em torno de 260 deslocamentos. Para maio, o objetivo é encaminhar mais mil pessoas aos municípios brasileiros. Cidades como Cuiabá, São Paulo, Campinas, Manaus, Goiânia e Florianópolis foram sondadas. “Não estipulamos um número de vagas, estamos sensibilizando os governos estaduais, municipais e as instituições privadas em busca de disponibilidade”, assegurou o ministro.

Romanna salientou ainda ser solidária com os desafios dos municípios, locais onde as políticas públicas são executadas. “Não existe nenhuma uma imposição, apenas um pedido de ajuda. Em São Paulo, o ministro expôs que a experiência está sendo positiva com os imigrantes conseguindo se posicionar no mercado de trabalho em um curto período de tempo, conquistado assim a sua independência”, coloca.

Beltrame destacou ainda que 80% dos venezuelanos têm boa escolaridade, com ensino médio ou superior concluído. Apesar da dificuldade com a comunicação, os imigrantes chegam ao Brasil com carteira de trabalho e demais documentos, portanto, aptos ao trabalho. O Governo Federal ainda está atuando na montagem de 11 abrigos, ambos em Roraima, com capacidade de para 500 pessoas cada.

Colaboração: Douglas Saviato – Assessoria de Comunicação

Notícias Relacionadas

STF autoriza SC a utilizar recursos do pagamento da dívida com a União no enfrentamento da Covid-19

O pedido foi protocolado pela Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina (PGE) para garantir que a União deixe de aplicar qualquer tipo de penalidade ao estado em razão da suspensão dos pagamentos.

Crise: Senado aprova linha de crédito para profissionais liberais

Medida serve para reduzir os impactos financeiros do setor na pandemia

Pesquisa mostra crise gerada pela pandemia na economia criativa

Índice de organizações do setor que precisaram demitir é de 50,2%

Com o fim da greve, serviços são normalizados em Tubarão

Os membros do Gabinete de Gestão de Crise se reuniram nesta sexta-feira (1º), na Sala de Atos do Paço Municipal e definiram os últimos detalhes dos retornos aos serviços.