Geral

ALERTA: Período de seca pode comprometer consumo de água em Lauro Müller

A represa localizada em Rio Bonito, a qual abastece os setores de abrangência da companhia em Lauro Müller, está quase seca.

Rio Bonito – Fotos: Daniel Librelato e Katia Antunes / JH

O período de seca que se prolonga em Santa Catarina já traz reflexos na região. Em Lauro Müller, há chance de a água ser racionada caso não haja mudanças climáticas. Conforme apurou equipe de reportagem do JH, os rios que abastecem o consumo da população estão quase secos.

A represa localizada em Rio Bonito, a qual abastece os setores de abrangência da companhia em Lauro Müller, está quase seca. “Os informativos dão conta de que setembro será um mês bastante seco, por isso não podemos dizer que o racionamento de água está descartado”, revelou em entrevista, o responsável pela Companhia Catarinense de Águas e Saneamento – Casan de Lauro Müller, José Nazareno Nazário.

Segundo ele, até o momento, o abastecimento de água está garantido. Entretanto, o bom senso em relação ao consumo é necessário. “Pedimos que a população se conscientize e não utilize a água de forma supérflua, como para lavar carros, casa e calçadas. É preciso pensar no uso em comum”, pontuou ao JH.

Foto: JH

A Casan fez as seguintes orientações para diminuir o consumo de água:

• Tome banhos rápidos e feche o chuveiro ao se ensaboar. Chuveiro aberto por 15 minutos consome 135 litros de água.

• Feche a torneira ao escovar os dentes e fazer a barba.

• Não lave a louça com água corrente. Passe rapidamente água nas louças, ensaboe os pratos e utensílios. Abra a torneira apenas para enxaguar.

• Não lave roupa com água corrente. Trabalhe utilizando o tanque.

• Só ligue a máquina de lavar louça ou lavar roupa com capacidade total. O consumo é igual se ela não estiver cheia.

• Não use água como vassoura. Em calçadas e áreas pavimentadas, primeiro varra a sujeira, depois lave com a utilização de um balde. Com mangueira, em 15 minutos são desperdiçados cerca de 280 litros de água.

• Não use mangueira, mas balde e pano para lavar o carro. Em épocas de estiagem, evite lavar seu automóvel.

• Reaproveite a água usada para outros fins, como lavar calçadas.

• Molhe o jardim com regador sempre ao amanhecer ou à noite, assim as plantas aproveitarão melhor a água. Regar nas horas quentes resulta em elevadas perdas por evaporação.

• Não jogue água nas ruas.

• Regule a válvula de descarga. Esse cuidado pode reduzir o consumo pela metade.

Guatá com horários controlados

Foto: JH

No distrito de Guatá, um acordo com a população local foi estabelecido para dar conta do abastecimento e evitar que o consumo seja comprometo. No local, a responsabilidade é do Município. Conforme a reportagem, há aproximadamente 1,5 mil famílias residentes, além de três aviários, duas mineradoras e uma indústria de refrigerantes instalados.

O intendente de Guatá, Antonio Carlos, popularmente conhecido como Lageado, também enaltece a importância do apoio da comunidade local. Ele conta que um período de secas igual a este não é registrado há cinco anos. “As previsões de chuva não estão favoráveis. Por enquanto, o abastecimento está garantido, mas corremos o risco de ficar sem água. Há muito desperdício, precisamos que a população entenda o que estamos passando”, relatou.

No acordo, a intendência e os moradores do local estabeleceram que, entre às 13h e às 17h30min, o abastecimento é interrompido para haver um equilíbrio no fornecimento. “Até agora, aqueles que possuem caixas d’água nas residências estão consumindo normalmente. Também fizemos um acordo com a empresa de refrigerantes para que ela consuma água em horários específicos com a intenção de que a população não seja prejudicada. Estamos atentos e pedimos a compreensão de todos”, sublinhou Lageado.

Sem riscos de racionamento em Orleans

O diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto – Samae de Orleans, Fábio Echeli Bett, informou ao JH que o município não corre riscos de racionamento. “Nós temos redes que servem de reserva de outros rios em caso de períodos de estiagem como este. Apesar das previsões apontarem tempo seco no mês de setembro, a distribuição de água está garantida”, esclareceu.

42 centímetros negativos

Foto: JH

A altura do nível de água do Rio Tubarão dá uma ideia do período de seca atual. Feliciano Barbosa Dias, popularmente conhecido como Gauchinho, é observador da Epagri e afirma estar espantado com os registros mais recentes. “Há três anos atuo na observação do rio, até então, não o havia visto tão seco”, revelou.

Conforme as previsões meteorológicas do Centro de Informações e Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina, o Ciram, boa parte do período correspondente às próximas semanas continua com tempo mais seco no Estado, com possibilidade de registro de chuva pouca significativa no Oeste e Sul do Estado, devido à permanência da instabilidade no Rio Grande do Sul e Uruguai. A partir do dia 22 de setembro, aumenta a chance de chuva para Santa Catarina, mas não há indicativo de que seja intensa. As temperaturas ficam elevadas na maior parte dos dias, especialmente no Oeste.

Alerta para rios

A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri apontou 11 rios em situação de emergência para estiagem, nas cidades de: Forquilhinha, Meleiro, Chapadão do Lageado, São João Batista, Orleans, São Martinho, Tangará, Rio das Antas, Concórdia, Camboriú e Passos Maia. Outros oito estão em estado de alerta, localizados em: São Carlos, Joaçaba, Tubarão, Canoinhas, Timbó, José Boiteux, Salete e Rio Negrinho.

Em SC, regiões Oeste e Norte têm situação mais preocupante

Em Santa Catarina, conforme informações do site G1 SC, a falta de chuva atinge mais as regiões Oeste e Norte. Os rios Taboão, Burro Magro, Jacu e do Peixe são os que apresentam níveis mais baixos no Oeste. De acordo com a Casan, obras emergenciais e abertura de poços permitem que o abastecimento esteja normal na maioria das cidades da região.

No Norte, a atenção é com o Rio Negro, que está com nível baixo principalmente em Mafra, onde não chove há 90 dias e a temperatura tem chegado aos 30ºC. “Como a temperatura é muito alta e o tempo, seco, algumas pessoas estão usando água para molhar as ruas e conter o pó. Pedimos que a população não faça uso de água tratada para molhar ruas ou regar plantas neste momento”, afirmou o chefe da agência Casan, Honório Fragoso ao site G1 SC.

Na Grande Florianópolis, os dois principais rios, Cubatão e Vargem do Braço, conhecido como Pilões, estão em estado de atenção, segundo classificação da Epagri/Ciram.

Notícias Relacionadas

Com aperfeiçoamento constante, Associação de Apicultores de Orleans é destaque em Santa Catarina

Seminário discute desenvolvimento da cadeia leiteira no Sul de Santa Catarina

Campanha “Compre de Orleans” será lançada neste sábado na Praça Celso Ramos

Com temperatura negativa, Serra tem até ‘boneco de geada’