Geral

Ato questiona negociação da Unisul

Foto: Guilherme Simon/DS

Um ato organizado pelo Sindicato dos Professores e Auxiliares de Administração Escolar de Tubarão – Sinpaaet foi realizado ontem, em frente ao Shopping da Unisul, sendo contrário à negociação da universidade com grupos educacionais.

Segundo o sindicato, há indícios de que a instituição possa ser vendida. A Unisul, por outro lado, nega que haja qualquer possibilidade de venda e afirma que está em busca de parcerias para vencer a crise financeira.

O protesto começou por volta das 17h30min, reunindo cerca de 50 pessoas, entre professores, funcionários e estudantes. A presidente do Sinpaaet, Gisele Vargas, argumentou que a possibilidade de venda é real ao afirmar que “dar um patrimônio e receber, em troca disso, dinheiro, não é uma parceria, é uma venda”.

Para Gisele, uma negociação como essa teria reflexos negativos para toda a comunidade, com possibilidade de demissão e de aumento de mensalidades. “O que vimos em outras universidades que fizeram algo parecido foi que houve um desmonte, com demissões em massa e perda da qualidade de ensino”, declarou.

A presidente do Sinpaaet reiterou que o protesto era para defender um patrimônio que pertence à cidade e que a Unisul não pode ser tratada como uma empresa privada. Ela cobrou mais transparência dos gestores. “A transparência que se tem não condiz com o tamanho da crise”, afirmou.

Como alternativas, Gisele Vargas disse que o sindicato defende a possibilidade de municipalização ou federalização da Unisul em lugar da negociação com um grupo privado.

Um grupo de estudantes do curso de Medicina Veterinária apoiou o protesto. “Acreditamos que falta transparência nas ações da universidade. Além disso, o nosso curso vem sofrendo com falta de repasses e defasagem”, disse o estudante Vinícius Bagio de Souza. Os acadêmicos temem ser prejudicados com a demissão de bons professores e a terceirização de laboratórios.

Universidade nega possibilidade de venda

Por meio da assessoria de imprensa, a Unisul voltou a negar que haja qualquer negociação no sentido de vender a instituição. A respeito do protesto promovido pelo Sinpaaet, a universidade disse que não iria se manifestar.

Semanas atrás, em carta aberta aos funcionários, o reitor da Unisul, Mauri Luiz Heerdt, declarou que há conversas com grupos educacionais para que seja feita uma parceria e que esta seria uma das alternativas contra a crise financeira.

O reitor frisou a necessidade de a universidade se reinventar diante de novos desafios.

“Muitas pessoas expressam seus medos e angústias em relação aos empregos por conta de parcerias que podem vir a serem firmadas. Eu diria o contrário: nossa maior ameaça ao emprego está exatamente no fato de não querermos ver a realidade como ela é e de não buscarmos soluções novas para hoje e amanhã num cenário em que a colaboração entre instituições é a regra”, escreveu em um dos trechos.

Com informações do Jornal Diário do Sul

Notícias Relacionadas

ExpoMais é oficialmente lançada nesta segunda-feira

O evento terá palestras principais com nomes de renome nacional, além de outros espaços que estarão à disposição do público e que serão reveladas no evento de lançamento desta segunda-feira.

Tribunal de Justiça autoriza prefeitura a retomar obras da passarela em frente à Unisul, em Tubarão

Iniciada em fevereiro, a construção da passarela precisou ser interrompida por alguns dias ainda no primeiro semestre por conta da ação judicial de uma empresa inabilitada no processo de licitação.

Pedreiro de cemitério condenado por enriquecimento ilícito e venda casada de serviços em Urussanga

Os fatos aconteceram entre 2010 e 2012, quando o homem era responsável pela gestão do Cemitério Municipal de Urussanga

Instituições de ensino da região informam sobre situação das aulas