Geral

Criciúma: MP denuncia Salvaro por renovação de contratos temporários

Promotoria afirma que a conduta, que seria uma forma de burlar a necessidade da contração de concursos públicos, viola princípios da administração pública.

Divulgação

O prefeito de Criciúma Clésio Salvaro (PSDB) é alvo de mais uma denúncia de irregularidades administrativas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC). Na última sexta-feira, a 11ª Promotoria de Justiça da comarca de Criciúma ingressou com uma ação civil pública contra o prefeito por improbidade administrativa relativa a contratações temporárias supostamente ilegais pelo município.

De acordo com o MP-SC, há um grande número de contratações temporárias que se renovam ano após ano, o que poderia indicar uma manobra da prefeitura para manter servidores sem concurso público. O tema foi alvo de protestos intensos do Siserp no ano passado, com atos em frente a prefeitura que chegaram até a porta do gabinete do prefeito. Na ocasião, o protesto era voltado à questão dos ACTS na pasta da Educação.

A ação judicial do MP-SC pede a rescisão do contrato dos servidores temporários em até 30 dias, exceto das áreas da Saúde, Educação e Assistência Social. Também prevê a não renovação de contratos de temporários atuais e não firmar novas contratações para vacâncias de vagas.

“Além do princípio da legalidade, a conduta levada a efeito pelo Prefeito viola também os princípios da impessoalidade, honestidade e eficiência, tão caros à Administração Pública”, manifestou-se a 11ª Promotoria da Comarca de Criciúma por meio de nota.

As contratações temporárias foram alvo de um acordo entre o município e o Ministério Público em 2016, com a assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), que previa o tempo máximo para a contratação de um servidor temporário por até 12 meses e a regularização de concursos públicos para as vagas necessárias.

Em novembro do ano passado, a falta de concurso gerou uma manifestação de pais e alunos das escolas municipais. Na ocasião, o Siserpe esteve presente e mediou uma reunião com o vice-prefeito, Ricardo Fabris. O atual presidente do sindicato dos servidores públicos, Reginaldo de Oliveira, disse ontem à reportagem que espera que a resolução das renovações de temporários seja acatada pela justiça.

“Temos denunciado desde inicio do mandato do prefeito Salvaro a falta de concurso público para beneficiar cargos indicados politicamente.Ate quem foi aprovado no ultimo concurso 2014 recorremos a justiça para assumir. Esperamos que o Juiz faça cumprir a Lei”, afirmou Oliveira.

A reportagem procurou a prefeitura municipal de Criciúma por meio do setor de comunicação, mas não obteve retorno.

Denúncias contra a gestão

Essa é a segunda ação contra a administração municipal de Criciúma nos últimos 15 dias. O Tribuna de Notícias publicou na edição de 10 de setembro a denúncia de suposto desvio que pode chegar a até R$ 35 milhões na contratação de iluminação pública, esquema investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado
(Gaeco), na Operação Blackout.

Na ocasião, a 11ª Promotoria de Justiça ingressou com uma ação penal contra 13 pessoas, incluindo empresários, servidores públicos e engenheiro, pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, corrupção e falsidade ideológica. A organização criminosa teria participado de ao menos sete licitações no Município de Criciúma nos anos de 2019 e 2020 e de maneira fraudulenta venceu os certames.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

Medida prevê suspensão de contratos e redução de jornada e salários

Carro esportivo de luxo é apreendido com mais de R$ 15 mil em débitos, em Araranguá

Agentes abordaram o motorista, de 27 anos, após denúncia por direção perigosa.

Senado aprova MP que suspende número mínimo de dias letivos

Texto segue para sanção do presidente

Educação recebe mais 22 ônibus para renovação do transporte escolar de Santa Catarina

Os veículos somam investimento de R$ 4,2 milhões e têm como origem uma emenda coletiva do Fórum Parlamentar Catarinense, que inclui os deputados federais e senadores eleitos por Santa Catarina.