Segurança

Gaeco deflagra operação Polo Norte que investiga sonegação fiscal na região

Estima-se que o valor sonegado por empresários do ramo de sorvetes seja superior a R$ 50 milhões.

Foto: Divulgação

ATUALIZADA ÀS 14h43 – O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas – GAECO deflagrou, na manhã desta quinta-feira (15), a Operação “Polo Norte”, para desarticular grupo de empresários do ramo de sorvetes que sonegava impostos. Estima-se que o valor sonegado seja superior a R$ 50 milhões de reais.

Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão. Os mandados, expedidos pelo Juízo da 2ª Vara de Içara, atenderam pedido da 6ª Promotoria de Justiça de Criciúma, com atuação regional na área de combate aos crimes tributários.

As apreensões ocorrem em empresas do ramo de sorvetes com sedes em Içara e Blumenau, e empresa do ramo de informática localizada na cidade de Criciúma. Até o momento, já foram efetuadas três prisões.

A investigação teve início no início de 2017, a partir de informações encaminhadas ao Ministério Público de Santa Catarina por um auditor fiscal e prosseguiu com o apoio direto e primordial do núcleo do GAECO de Criciúma.

Os fatos apurados até o momento indicam a existência de grupo econômico, formado por diversas empresas, que visa a sonegação de impostos, especialmente por meio da prática de subfaturamento e venda de mercadorias sem notas fiscais.

A investigação apura, ainda, indícios de organização criminosa, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, por meio da utilização de interpostas pessoas para a constituição de empresas.

Uma entrevista coletiva está agendada para as 17 horas, na Sala de Reuniões das Promotorias de Justiça, no Fórum de Criciúma.

Colaboração: Comunicação MPSC

Notícias Relacionadas

Gaeco deflagra operação e prende cinco por suspeita de corrupção

Durante a operação foram afastadas três pessoas da função pública e cumpridos 29 mandados de busca e apreensão

Criciúma: operação apura falsificação de exames toxicológicos para renovação de CNH

A investigação apurou que o valor cobrado dos candidatos que buscavam o exame toxicológico falsificado era de aproximadamente R$ 1,2 mil.

Operação Pecúlio: GAECO investiga desvio em pecúlio de presos

Foram cumpridos de três mandados de prisões temporárias e 13 buscas e apreensões

Prefeito de Lauro Müller emite Nota de Esclarecimento sobre investigações do Gaeco

Valdir Fontanella foi afastado do cargo público por até 180 dias nesta segunda-feira (2).