Norte

Lei proíbe a distribuição de canudos plásticos por comércios em São Francisco do Sul

Multa por desrespeitar medida em estabelecimentos comerciais pode chegar a R$ 6 mil.

Foto: Divulgação

Estabelecimentos comerciais de São Francisco do Sul, no Norte catarinense, não podem distribuir canudinhos plásticos. A lei entrou em vigor na terça-feira (1º) e prevê multa de até R$ 6 mil para os comerciantes que desrespeitarem a medida.

A lei nº 2077/18 foi sancionada em 1º de outubro de 2018, com data prevista de início de aplicação em 2019. De acordo com a prefeitura, são aceitos apenas canudos de papel biodegradável ou recicláveis individuais.

A prefeitura informou que fará fiscalização por meio da Vigilância Sanitária, Secretaria de Meio Ambiente e Fiscalização de Obras e Posturas. Ainda em 2018, a Secretaria de Meio Ambiente esteve nos estabelecimentos para explicar as alterações da lei.

Serão fiscalizados restaurantes, bares, lanchonetes, barracas de praia, ambulantes e locais similares. A primeira multa é de R$ 3 mil, caso haja reincidência, a taxa será de R$ 6 mil.

De acordo com a prefeitura, moradores e turistas também podem denunciar a situação a partir de dia 7 de janeiro. Os canais são o e-mail [email protected] e telefone 3471-2294.

Com informações do site G1/SC

Notícias Relacionadas

Massa de ar frio avança e mínima pode ficar abaixo de 5°C durante a noite desta quarta-feira em SC

O dia começa com tempo instável, mas a chuva fica mais reservada durante a manhã e início da tarde.

Marido morre em acidente de carro três dias após suspeita de matar mulher a tiros em SC

Colisão contra caminhão ocorreu nesta segunda na BR-116. Mulher foi encontrada morta na sexta, atingida por três disparos na cabeça.

Preso, ex-deputado federal de SC tem auxílio-combustível suspenso pelo governo do estado

João Pizzolatti está no Presídio Regional de Blumenau. Ele é réu por tentativa de homicídio referente a um acidente de trânsito.

Estelionatários utilizam unidades do Poder Judiciário para aplicar golpes em SC

As principais vítimas são chaveiros, floriculturas, entregadores de água e gás, entre outros prestadores de serviços