Geral

MPSC exige que empresa readmita funcionária vítima de violência doméstica em Criciúma

Violência ocorreu no estacionamento da empresa em agosto de 2022; empresa também terá que indenizá-la

Foto: Divulgação

O MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) exige que a empresa de Criciúma, no Sul do Estado que demitiu uma de suas funcionárias no mesmo dia em que ela foi agredida pelo ex-companheiro, que também trabalhava na empresa readmita a vítima, além de indenizá-la. A agressão ocorreu no estacionamento da empresa, em agosto de 2022.

Quer receber as principais notícias da região? Clique aqui e entre no nosso grupo de WhatsApp e fique atualizado de forma rápida e confiável 

A lei maria da penha é voltada para proteção dos direitos da mulher, além de garantir a estabilidade no trabalho para a vítima, até seis meses, mesmo que a vítima tenha que se afastar do seu posto. Segundo o MPSC, a empresa em questão não cumpriu com a lei.

A empresa concordou em readmitir a vítima, em razão das agressões sofridas. Logo depois, o Parquet solicitou a concessão de indenização à vítima, o que foi rejeitado pela empresa.

A 12ª Promotoria de Justiça pede o pagamento dos salários relativos aos seis meses de estabilidade a que a vítima precisava ter, além da condenação da empresa ao ressarcimento de danos morais, tanto para a vítima quanto para coletividade.

No requerimento de medida protetiva, sustentou o Promotor de Justiça Samuel Dal Farra Naspolini. “A atitude da empresa é, acima de tudo, antiética, pois não apenas negara a sua humilde colaboradora providências básicas de solidariedade e apoio, mas a excluíra de pronto do quadro funcional apenas por força de sua condição de vítima de violência doméstica, o que acrescentou ao seu já terrível sofrimento a chaga do desemprego e da privação material”.

Se mantenha informado em tempo real! Clique aqui e siga o Sul in Foco no Instagram. Informações e notícias sobre a região na palma da sua mão!

Por consequência, ainda segundo Naspolini, a norma da Lei Maria da Penha que protege o emprego da vítima obrigada a se afastar de suas ocupações em razão da violência, com ainda maior razão, protegeria o trabalho das mulheres agredidas que ainda podem trabalhar – o que não teria sido respeitado pela empresa. Por isso, “nos termos da Lei Maria da Penha, além de antiético e imoral, o ato da pessoa jurídica é também ilegal”, conclui.

A empresa representada foi intimada a apresentar resposta

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Governo sanciona Lei que autoriza farmácias e drogarias a receberem denúncias de violência doméstica contra a mulher

Ao receberem a denúncia, os atendentes devem comunicar imediatamente às autoridades competentes

MPSC acusa prefeita de Lauro Müller de fazer “verdadeira ação entre amigos”

Ação que teve liminar deferida para bloqueio de bens dos investigados alega “favorecimento intolerável” a escritório de advocacia.

Serramar: Estado e Deinfra têm 60 dias para iniciar obras de contenção de encostas

Deslizamentos entre Orleans e Pedras Grandes colocam usuários em risco.

Liminar determina atualização de valores repassados a hospital filantrópico de Laguna

Recursos provenientes de convênios firmados com o Município de Laguna e o Estado de Santa Catarina estão sem atualização monetária, enquanto déficit do Hospital de Caridade aumenta.