Geral

Sobrevoo registra 21 baleias-francas na região Sul de Santa Catarina

Avistagens ocorreram durante último censo aéreo da temporada 2018 do Programa de Monitoramento de Cetáceos da SCPar Porto de Imbituba.

Foto: Carolina Bezamat / SCPar Porto de Imbituba

A SCPar Porto de Imbituba realizou na manhã desta segunda-feira, 5 de novembro, o último sobrevoo da temporada 2018 de avistagens de baleias-francas (Eubalaena australis) em Santa Catarina. O censo aéreo ocorreu entre Florianópolis e Balneário Rincão, que compreende a Área de Proteção Ambiental – APA da Baleia Franca, estendendo-se até Torres. Durante o percurso, foram avistadas 21 baleias-francas, sendo 10 adultas e 11 filhotes, além de quatro golfinhos nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus), conhecidos como “boto da tainha”.

O sobrevoo integra o Programa de Monitoramento de Cetáceos do porto e envolve pesquisadores do Instituto Australis/Projeto Baleia Franca e da empresa Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental. Ao todo, três especialistas participaram da amostragem, sendo dois observadores e um fotógrafo. O objetivo da ação foi realizar a contagem dos indivíduos, verificar sua distribuição espacial e fotografá-los para posterior identificação.

Avistagens de 2018

Novembro marca o fim da temporada de avistagens das baleias-francas em Santa Catarina. Neste período, os animais já estão retornando às áreas de alimentação nas regiões da Antártica, onde permanecem durante o resto do ano. Por isso, o número de indivíduos encontrados na região é bem menor que o registrado nos dois sobrevoos anteriores, realizados em julho e em setembro.

Neste ano de 2018, quando a SCPar Porto de Imbituba completou dez anos de monitoramento, um recorde de avistagens foi registrado em setembro. Durante o segundo sobrevoo, 284 baleias-francas foram observadas, batendo as 194 baleias avistadas em 2006. Antes, no mês de julho, foram avistadas 36 baleias. A maior concentração tem ocorrido nas enseadas de Garopaba, Imbituba e Laguna.

Além das francas, também foram registradas em 2018 outras espécies de cetáceos, como os já mencionados golfinhos-nariz-de-garrafa ou boto da tainha (Tursiops truncatus), espécie que realiza a pesca cooperativa junto aos pescadores no município de Laguna; e as toninhas (Pontoporia blainvillei), raras na região.

Os resultados anuais surpreenderam, até mesmo, a equipe técnica que acompanha o Programa de Monitoramento de Cetáceos. “Este foi um ano extremamente positivo tanto pelos recordes de avistagens, o que pode indicar uma recuperação nos níveis populacionais da espécie, quanto pela quantidade de dados que pudemos coletar, possibilitando avaliar a eficácia das ações de conservação já aplicadas e desenvolver novas medidas para monitorar e acompanhar o ciclo de vidas das baleias”, aponta Robson Busnardo, gerente de saúde, segurança e meio ambiente da SCPar Porto de Imbituba.

O Programa de Monitoramento

Este é o 10º ano que o Porto de Imbituba realiza o Programa de Monitoramento de Cetáceos. Desde sua criação são utilizadas duas metodologias: o monitoramento aéreo e a observação terrestre dos mamíferos marinhos que visitam a região (baleias, golfinhos, etc.). Atualmente o Programa é realizado no âmbito do Plano de Controle Ambiental (PCA) da SCPar Porto de Imbituba, autoridade portuária, executado pela empresa Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental e o Instituto Australis/Projeto Baleia Franca.

Conforme explica Camila Amorim, oceanógrafa da SCPar Porto de Imbituba, o objetivo do programa é monitorar a frequência dos cetáceos avistados na região do porto e compreender o comportamento deles frente às atividades portuárias. “Como os navios que chegam a Imbituba atravessam a APA da Baleia Franca, o monitoramento da frequência de pequenos e grandes cetáceos no entorno do porto, estudando o seu comportamento e acompanhando o tráfego de embarcações, evita possíveis interações negativas e promove maior segurança para a conservação da espécie em seu habitat natural”.

Durante a temporada, o monitoramento terrestre ocorre diariamente, em dois pontos de observação, nas enseadas das praias do Porto e Ribanceira, em Imbituba. O tempo de observação padrão é de seis horas diárias, divididas em dois turnos, podendo variar de acordo com a quantidade de horas/luz diárias e as condições climáticas, bem como a movimentação dos navios.

Boas práticas

Além dos monitoramentos, também se destaca no Porto de Imbituba o Procedimento Interno de Boas Práticas, implantado na temporada passada com o objetivo de conscientizar a tripulação das embarcações que circulam no porto (navios, rebocadores, lanchas, etc.) sobre a presença das baleias-francas na região. A equipe técnica de meio ambiente do porto realiza a abordagem junto aos comandantes e à tripulação das embarcações, levando informações sobre o comportamento das baleias-francas, mostrando o mapa com os limites da APA e explicando como ocorre o monitoramento dos cetáceos.

Números sobrevoo de monitoramento baleias-francas novembro
Locais e números de avistagens
Guarda do Embaú: 4 baleias
Gamboa: 4 baleias
Siriú: 4 baleias
Ribanceira: 7 baleias
Praia do Gi: 2 baleias

Tempo de voo: 4h15min

Colaboração: SCPar Porto de Imbituba

Notícias Relacionadas

Passeio de jardineira será uma das atrações da Semana Nacional da Baleia Franca em Imbituba

Os passeios são gratuitos, com duração aproximada de 40 minutos. Um guia irá explicar sobre os atrativos turísticos de Imbituba.

Filhote de baleia é encontrado morto em praia de Laguna

Segundo o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos, é o primeiro encalhe desta espécie na região neste ano.

Baleias-francas antecipam a temporada 2018 de avistagens

Chegada dos mamíferos é mais uma celebração para o Porto de Imbituba, que neste ano completa uma década de monitoramento aéreo e terrestre das baleias-francas.

Assaltantes de banco são presos com a ajuda da Rede de Vizinhos em São Martinho

Após sete horas de monitoramento, cinco criminosos foram presos ao tentarem arrombar caixa eletrônico de agência no centro da cidade.