Saúde

Funcionários de hospital de Nova Veneza entram em greve por pagamento de salários

Segundo sindicato, apenas atendimento de emergência é realizado. Hospital deve R$ 70 mil da folha de pagamento de junho, conforme entidade.

Divulgação/RBS TV

Funcionários do Hospital São Marcos de Nova Veneza entraram em greve na manhã desta quinta-feira (11). A reivindicação é o pagamento dos salários do mês de junho, de 50 profissionais.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Criciúma e região (Sindisaúde), Fábio Camilo, eles deveriam ter recebido na última sexta-feira (5). O valor total devido aos trabalhadores chega a R$ 70 mil.

O hospital está trabalhando nesta manhã com efetivo reduzido, com média de 30% dos profissionais, atendendo apenas emergência.

De acordo com o Sindisaúde, a entidade aguarda a direção do hospital para uma reunião. A reportagem tentou contato com a direção da unidade, sem sucesso.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

STF autoriza SC a utilizar recursos do pagamento da dívida com a União no enfrentamento da Covid-19

O pedido foi protocolado pela Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina (PGE) para garantir que a União deixe de aplicar qualquer tipo de penalidade ao estado em razão da suspensão dos pagamentos.

Em Laguna, governador autoriza emissário terrestre para a praia do Mar Grosso e libera recursos para hospital

A projeção da Casan é que o empreendimento fique pronto em janeiro de 2020. O emissário é uma rede de 2.718 metros de extensão e diâmetro de 315 milímetros, com tubos de polietileno.

IPTU Criciúma 2020: prazo para pagamento de cota única e primeira parcela vence nesta sexta-feira

Prazo também vale para pagamento de alvarás. Os boletos estão disponíveis para impressão no site da Prefeitura de Criciúma.

Levantamento mostra que 45% dos beneficiários do PIS/PASEP vão usar dinheiro extra para pagar dívidas em atraso

Para SPC Brasil, medida é importante para que o cidadão consiga sanar pendências e recuperar crédito no mercado. Cerca de14% dos brasileiros ainda não sabem se têm direito ao benefício