Política

TJSC multa ex-prefeito de Orleans por nepotismo

Caso é referente a quando Jacinto Redivo, o Tinto, nomeou a esposa como secretária de Assistência Social e Habitação.

Foto: DN / Divulgação

A Quarta Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina – TJSC decidiu, por unanimidade, conhecer e dar provimento a recurso do Ministério Público – MP estadual declarando a nulidade da Portaria 294/2010.

Consequentemente, reconheceu a prática do ato de improbidade e condenou o ex-prefeito de Orleans, Jacinto Redivo (PSD), o Tinto, e a esposa Terezinha Furlan Redivo ao pagamento de multa civil equivalente a 20 vezes o valor da remuneração percebida por Terezinha no cargo de secretária à época dos fatos.

Participaram do julgamento os desembargadores Sônia Maria Schmitz e Luiz Antônio Zanini Fornerolli.

Apelação do MP

Conforme informações do Portal DN Sul, o MP apelou da sentença que, em ação civil pública por improbidade administrativa, julgou antecipadamente improcedentes os pedidos de declaração de nulidade de portaria expedida pelo Município de Orleans e de condenação do ex-prefeito e da esposa a pagamento de multa civil.

Justificou-se na sentença anterior que não configura prática de nepotismo, consoante entendimento assumido pelo Supremo Tribunal Federal – STF, a hipótese de contratação de familiar (cônjuge) para ocupar cargo político, mercê da Súmula Vinculante 13.

O recurso do MP sustenta que a Corte Suprema não se posicionou definitivamente sobre o assunto (nepotismo pela contratação de parentes para um posto eminentemente político). Defende que enquanto não aprofundado o debate e decidida a questão, prevalece a premissa que vem do enunciado, o qual deve preponderar inclusive para tais cargos, referendada que está, no âmbito local, pela Lei Orgânica do Município.

Caracterizada a ofensa à moralidade e à impessoalidade, requereu a reforma do julgado para que, anulado o ato ímprobo, fossem os réus condenados ao pagamento de multa civil em montante correspondente à remuneração percebida pela ré durante o exercício indevido da função pública.

Defesa

Ex-prefeito e esposa, durante o processo, defenderam, por meio de advogado, que não se pode cogitar prática de nepotismo a nomeação de parentes para funções de natureza política, que são de livre provimento pelo gestor. Por fim, argumentaram que “a secretária exercia as suas funções com uma competência ímpar”. A reportagem tentou contato telefônico com Tinto e com o advogado, mas não obteve êxito.

Notícias Relacionadas

MPSC acusa prefeita de Lauro Müller de fazer “verdadeira ação entre amigos”

Ação que teve liminar deferida para bloqueio de bens dos investigados alega “favorecimento intolerável” a escritório de advocacia.

Filho de detento morto em unidade prisional tem direito à indenização, decide TJSC

De acordo com os autos, o preso foi vítima de enforcamento com uma corda, no ano de 2017.

MPSC questiona lei estadual que restringe o prazo para cassação da CNH

Ação foi ajuizada contra a lei que só permite a suspensão do direito de dirigir se o processo administrativo for instaurado no mesmo ano em que ocorrer a notificação.

Ex-prefeito de Orleans e fundador da Plaszom, Francisco Zomer morre aos 83 anos

Seu Chico, como era conhecido, marcou a história de Orleans ao empreender e contribuir com ações sociais no município.